Maiores perdas de alunos registadas no interior

Corte de vagas em Lisboa e Porto evitou quebras maiores, mas também permitiu a universidades como a da Madeira e a de Trás-os-Montes estarem entre as que mais cresceram.

Foto
André Rodrigues

Não é possível retirar uma conclusão clara do impacto do corte de 5% das vagas das instituições de ensino superior de Lisboa e do Porto imposto este ano pelo Governo. Se, por um lado, as instituições de ensino superior que mais alunos perderam foram as do interior, também é verdade que algumas das que a medida pretendia beneficiar, como as universidades da Madeira e de Trás-os-Montes e Alto Douro, estão entre as que mais cresceram este ano.

Após o final das três fases do concurso nacional de acesso ao ensino superior, há sete instituições com uma quebra no número de colocados superior a 6%. Destas, apenas uma está sediada numa das duas principais cidades do país, a Escola Superior de Enfermagem do Porto – diminuiu 6,3%.

Os restantes são cinco institutos politécnicos, dos quais apenas um, o de Santarém (menos 8,4% de colocados) não está sediado no interior. Os restantes são os politécnicos da Guarda (21,5%), Beja (13%), Castelo Branco (6,8%) e Bragança (6,7%).

PÚBLICO -
Aumentar

Entre as instituições que mais alunos perderam há ainda uma universidade, a dos Açores, onde o total de colocados se reduziu 6,8%. Em sentido contrário, a outra universidade localizada nas regiões autónomas, a da Madeira, foi a instituições de toda a rede pública que mais estudantes ganhou face ao ano passado no conjunto das três fases do concurso nacional de acesso – as colocações cresceram 9,3%.

Seguem-se a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique (7,7%), sediada em Paço D’Arcos, no concelho de Oeiras, mas que pelas suas características especiais foi autorizada a manter o mesmo número de vagas, bem como o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (5,4%) e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (5,1%).

Entre as instituições que ganharam alunos estão as Universidades de Coimbra, Algarve e Minho (com pólos em Braga e Guimarães), que não estão no interior do país. No total, dez instituições aumentaram o número de colocados em relação ao ano anterior.

Os números finais das três fases do concurso nacional de acesso confirmam que o corte de 5% do número de vagas nas instituições de ensino superior de Lisboa e do Porto não levou mais alunos para a maioria dos institutos politécnicos do interior. Se a medida teve algum impacto, esse foi o de evitar que a perda de alunos fosse ainda maior, num contexto em que o total de colocados baixou 2,6% a nível nacional.

Ao todo, foram colocados 10.152 novos alunos em instituições do ensino superior e das ilhas, o que representa uma quebra, face ao ano anterior, de 2,7%, ou seja, ligeiramente acima da média. Nas instituições do litoral, foram colocados 35161 estudantes no conjunto das três fases do concurso nacional de acesso, que representam 78% do total.