Ex-secretário-geral do CDS absolvido em processo interno

Jurisdição considerou que não havia provas de que Lino Ramos e outros dirigentes da concelhia não tenham feito campanha pela coligação Juntos pelos Sintrenses, liderada por Marco Almeida, que a direcção Nacional do CDS decidiu integrar.

Lino Ramos em 2003, na tomada de posse como governador civil de Lisboa
Foto
Lino Ramos em 2003, na tomada de posse como governador civil de Lisboa JC - JOSE CARIA

Lino Ramos, presidente da mesa da concelhia do CDS-Sintra e ex-secretário-geral do partido, bem como o antigo líder daquela concelhia, Silvino Rodrigues, foram absolvidos no processo disciplinar interno relativo à campanha autárquica de 2017.

A falta de provas foi a alegação aprovada por unanimidade pelo Conselho Nacional de Jurisdição, segundo o acórdão a que o PÚBLICO teve acesso.

No processo, os dois dirigentes - bem como outros militantes dirigentes locais – eram acusados de não terem feito campanha em Sintra onde o CDS concorreu na coligação Juntos pelos Sintrenses, criada a partir do movimento independente de Marco Almeida e em que estavam o PSD, MPT e o PPM.

A concelhia de Sintra foi contra a coligação e tinha aprovado uma proposta para o CDS concorrer sozinho, mas foi ultrapassada pela vontade de Assunção Cristas.