Cinco recrutas foram hospitalizados e 15 desistiram após Prova Zero nos Comandos

Dos 59 recrutas que iniciaram o curso de Comandos no princípio de Setembro, mantêm-se na instrução 37, incluindo os cinco que foram hospitalizados para "observação". Três tiveram alta este domingo.

Foto
Miguel Manso

Cinco recrutas que fizeram a chamada Prova Zero, a exigente primeira prova do curso de Comandos, foram internados sexta-feira no final do exercício, no Hospital das Forças Armadas (Lisboa), para “observação e por mera precaução”, segundo o Exército, que adiantou que outros 15 militares desistiram do curso durante a prova que decorreu na semana passada na Figueira da Foz. 

Ainda antes, durante o estágio que precedeu a prova de três dias, já tinha havido sete desistências, no início deste mês. Ou seja, dos 59 recrutas que iniciaram este que é o segundo curso deste ano, mantêm-se 37 (incluindo os cinco que foram hospitalizados). A informação foi adiantada pela porta-voz do Exército, Elisabete Silva, que assegurou que os cinco militares apenas foram internados por precaução no final da prova que actualmente se chama Exercício Psicofísico e que também é conhecida como "prova de choque" pela sua dureza e que mudou de nome e de características na sequência da morte de dois recrutas, em 2016.

Um familiar de um dos internados que não se quis identificar tinha afirmado, porém, ao PÚBLICO que os recrutas hospitalizados estariam com alucinações e com a urina escurecida, sintomas que são compatíveis com um eventual estado de desidratação, mas a porta-voz do Exército garante que o seu estado de saúde não é grave e que os recrutas apenas foram internados por terem apresentados valores “fora da normalidade” nas análises efectuadas no final da prova.

Destes cinco, três terão alta às 19h deste domingo e apenas dois permanecem internados porque necessitam de análises complementares de especialidades que não estavam disponíveis durante o fim-de-semana, acrescentou. “Qualquer sintoma ou sinal que saia da normalidade implica que se avance com este tipo de procedimento, por precaução. Este processo tem sido normal, uma vez que se trata de um curso de grande intensidade física”, reforçou.

O local da prova foi alterado e foram "implementadas novas medidas" na sequência das mortes de Hugo Abreu e de Dylan da Silva, ambos com 20 anos, no curso 127º, em Setembro de 2016. Marcado para a semana passada, o julgamento dos 19 militares, todos comandos, acusados neste caso por crimes de abuso de autoridade por ofensa à integridade física, foi entretanto suspenso, depois de o Ministério Público ter pedido que a decisão sobre indemnizações civis contra o Estado passe para os tribunais administrativos. 

Dureza da prova mantém-se

“A escolha do local da prova – Figueira da Foz – deve-se principalmente a dois factores: as condições do terreno (mais suave) provocam menos lesões e o facto de ser perto do mar [significa que] a temperatura é mais baixa cerca de dez graus”, explicou Elisabete Silva. Desde as mortes durante o curso 127, “estamos muito mais alerta", assegurou.

Mas a dureza da Prova Zero mantém-se? “A exigência tem que se manter, [os recrutas] são treinados para actuar em teatros de operações muito complicados”, mas em simultâneo, garante-se “o apoio e o alerta” para o caso de surgirem complicações, explica a porta-voz, sublinhando que esta prova foi “acompanhada por três médicos”. 

De acordo com dados fornecidos na semana passada, o número de instruendos que iniciaram este ano o curso de Comandos chegou aos 156. É o número mais elevado desde 2012, pelo menos, quando estavam 118 recrutas presentes no primeiro dia de formação. Em Abril passado, arrancou o curso nº 130, com 98 jovens. No início deste mês, começou o 131º.

O PÚBLICO não conseguiu apurar o total de desistências do primeiro curso deste ano, mas os dados dos cursos anteriores permitem perceber que cresceu significativamente o número dos recrutas que desistem antes de terminarem a instrução. Por exemplo, em 2014, nenhum dos 67 recrutas desistiu e, no ano seguinte, apenas um em 125 abandonou o curso. Já em 2016 — o ano das mortes dos dois jovens recrutas  — foram 45 os que desistiram (32% dos que tinham iniciado o curso). E no ano passado já foram 74 — 59% dos jovens que entraram nos dois cursos feitos em 2017.