Centrais solares vão ter de comprar direito a injectar na rede

Governo vai lançar leilões de capacidade de rede para ajudar a financiar os novos projectos que não “cabem” na rede actual.

Governo avança com leilões para financiar expansão da rede eléctrica
Foto
Governo avança com leilões para financiar expansão da rede eléctrica Paulo Pimenta

O Governo vai passar a leiloar capacidade de injecção de nova potência na rede eléctrica para desenvolver “um sistema de comparticipações a efectuar pelos promotores nos investimentos” necessários para acomodar a nova produção dos parques solares.

“Atendendo ao elevado interesse por parte de promotores, nacionais e internacionais, de continuar a investir em nova capacidade solar fotovoltaica, e de modo a mitigar os custos com os novos investimentos no reforço da rede”, o Governo vai lançar a partir de 2019 “os primeiros leilões de capacidade da rede para acolher projectos que não encontrem” capacidade na infra-estrutura actual, revela o Projecto de Grandes Opções do Plano para 2019 que o Governo enviou para audição do Conselho Económico e Social.

Na prática, os investidores terão de comprar através destes leilões o direito a injectarem na rede eléctrica a energia que as suas centrais vão produzir. O objectivo é que os futuros promotores possam ligar-se à rede eléctrica de serviço público (RESP) “através de um sistema de partilha de custos” que retire das facturas da electricidade o peso destes investimentos, que são reflectidos nas tarifas definidas pela entidade reguladora (ERSE).

A Direcção-geral de Energia e Geologia realizou este ano um leilão de licenças de produção de energia solar para diversas zonas de rede. O problema coloca-se com o grande número de pedidos de licenciamento existente que só podem avançar se forem realizados novos investimentos na infra-estrutura.

No último plano de investimentos na rede de transporte eléctrico (que recebeu parecer da ERSE em Junho), a REN sinalizava a necessidade de se realizarem nos próximos anos investimentos próximos a cem milhões de euros para fazer face à recepção de nova produção fotovoltaica, incluindo um eixo que atravessa o Alentejo desde Ferreira do Alentejo até Ourique e outro que segue para sul até Tavira.

Segundo a operadora de transporte energético, até 2027 deverão ser instalados mais 1300 Megawatt de nova capacidade fotovoltaica no país (no final de 2017 estavam instalados 580 MW).

Ainda em Agosto, a Secretaria de Estado da Energia anunciou a aprovação de três novas centrais solares com uma capacidade instalada total de 145,5 MW na freguesia de Almoster em Santarém, num investimento de 81 milhões de euros. Segundo o Governo já foram autorizados 1000 MW de energia solar sem subsídios desde o início da legislatura.

No projecto de GOP o Governo refere ainda que, “complementarmente, serão criadas condições para a criação de projectos de centrais solares e/ou eólicas cuja quota de renováveis se destine exclusivamente a outros Estados-membros”. Esta afectação far-se-á “através de mecanismos de transferência estatística”.