Telavive acolhe Festival Eurovisão da Canção 2019

Apesar da tentativa de boicote por parte de mais de uma centena de artistas mundiais, o Festival Eurovisão da Canção 2019 realiza-se em Israel.

Netta Barzlilai foi a vencedora do Festival Eurovisão da Canção 2018, com a canção "Toy" o que garante a Israel a recepção do Festival no próximo ano
Foto
Netta Barzlilai foi a vencedora do Festival Eurovisão da Canção 2018, com a canção "Toy" Reuters/PEDRO NUNES

O próximo Festival Eurovisão da Canção vai acontecer em Maio de 2019 em Telavive, Israel, anunciou esta quinta-feira a organização do concurso. O Estado hebraico pretendia realizar o festival em Jerusalém.

Na página oficial, o festival anuncia que a 64.ª edição decorrerá no Centro Internacional de Convenções em Telavive, com as semifinais agendadas para os dias 14 e 16 de Maio e a cerimónia da final do concurso musical a 18 de Maio.

Telavive acolhe pela primeira vez o evento e, segundo a organização, foi escolhida num processo no qual eram também candidatas as cidades de Jerusalém e Eilat.

Israel recebe o Festival Eurovisão da Canção em 2019 depois de ter vencido a edição deste ano, em Lisboa, com o tema Toy, interpretado por Netta Barzilai. Ao vencer, Netta prometeu "até para o ano, em Jerusalém", e o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, também declarou que o festival ocorreria em Jerusalém.

A vitória de Netta aconteceu na véspera da inauguração da embaixada norte-americana na cidade, mudada de Telavive, onde estão praticamente todas as outras embaixadas estrangeiras, uma acção polémica por ignorar a pretensão palestiniana a Jerusalém Oriental. 

O anúncio acontece dias depois de mais de uma centena de artistas de todo o mundo, incluindo de Portugal, terem manifestado apoio a um apelo de organizações culturais palestinianas para o boicote ao festival Eurovisão, caso se confirmasse que teria lugar em Israel.

Israel acolheu, em Jerusalém, o Festival Eurovisão da Canção em 1979 e em 1999, por ter vencido nos anos anteriores.

Em 1980, embora tenha vencido em 1979, o país declinou a oportunidade de organizar o concurso pela segunda vez consecutiva, acabando por passar para a Holanda.