Os Vougas têm quase 100 anos de história e não param de navegar

A única classe de vela portuguesa ganhou um novo impulso. São cada vez mais aqueles que se rendem à beleza deste barco criado na Costa Nova, local onde este fim-de-semana decorre mais um campeonato nacional.

Fotogaleria
Delmar Conde, construtor naval ilhavense, rendeu-se por completo ao pequeno veleiro nascido na Costa Nova Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Nasceu na Costa Nova, em Ílhavo, no final dos anos 20 do século passado, mas não tardou muito a chegar a outros pontos do país, em especial a Lisboa. Foi um dos barcos adoptados pela Mocidade Portuguesa para o treino de vela, razão pela qual chegou a registar uma forte actividade no Rio Tejo. Aquela que é a única classe de vela com origem portuguesa inscrita na Federação Portuguesa de Vela, sobreviveu a anos de declínio e tem vindo a revitalizar-se – em especial nos últimos 11 anos. Testemunho disso é o campeonato nacional que decorre este fim-de-semana no canal de Mira, na Costa Nova. Mais de 30 velejadores, a bordo de 12 barcos Vouga, irão marcar presença na prova que tem um propósito que vai além do espírito competitivo: contribuir para preservar a embarcação desenhada, há quase 100 anos, por um mestre da região, António Gordinho.

“São barcos muito elegantes e bonitos. Também são competitivos, mas a sua beleza é inquestionável”, evidencia David Calão, presidente da Associação Portuguesa da Classe Vouga (APCV). Com um comprimento entre 6 a 6,25 metros, mastro e duas velas (área vélica total de 24 metros quadrados), o Vouga original era totalmente construído em madeira. Mais recentemente, começou a permitir-se que o casco seja de fibra de vidro, mas com essas regras de ouro: “o convés, o mastro, a retranca e a cana do leme, têm de ser de madeira”, revela Delmar Conde, construtor naval ilhavense, que se rendeu por completo ao pequeno veleiro nascido na Costa Nova.

“Dá-me muito prazer construir Vougas”, afiança o construtor que tem uma marca própria de veleiros (DC) mas que nos últimos anos tem estado mais concentrado no modelo histórico. “E espero continuar a fazer mais porque gosto mesmo muito”, realça. O preço base de um Vouga anda à volta dos “15 mil euros, mas depois tudo depende do tipo de velas e outras especificidades que o cliente quiser colocar no barco”, desvenda o construtor que é também velejador. De barcos da classe cruzeiro e de Vougas, claro está.

“É um barco muito cómodo, seguro, que cativa o utilizador. E muito rápido”, descreve, enquanto prepara o seu Maria Mar para participar no campeonato deste fim-de-semana. “É o nome das minhas duas netas. Uma chama-se Maria e a outra é Maria Mar”, conta. 

Pronto para chegar em último

Quem também já se perdeu de amores pelos Vougas foi António Oliveira, empresário aveirense e velejador, que não tem um, nem dois, mais sim quatro barcos desta classe. “Sou um grande apaixonado pelos Vougas e quando aparecem oportunidades não resisto”, admite, sem esconder que, com esta aposta, além de alimentar o seu gosto pessoal também ajuda a salvar alguns barcos e a preservar a classe. “O último que comprei tem 70 anos, chama-se Jezebel, e estava no Tejo”, relata, acrescentando que foi um dos barcos que esteve ao serviço da antiga Brigada Naval.

É no Jezebel que António Oliveira irá disputar o campeonato deste fim-de-semana, pronto para “quase de certeza, chegar em último”. “Estes barcos mais antigos são mais lentos que os novos”, justifica, a partir da experiência que tem vivido, igualmente, com o Celta, o seu outro barco histórico e que também irá participar na prova – com uma tripulação da Universidade de Aveiro. As suas esperanças estão depositadas nos seus dois outros barcos, já da nova geração de Vougas e que serão tripulados por jovens velejadores: “O H2OLI vai com a Ana Rocha, que é a campeã de Vougas em título, e o OLI vai com tripulantes amigos dela”. 

E quer veja ou não uma das embarcações a vencer o campeonato nacional deste ano, António Oliveira promete continuar a disputar o campeonato da revitalização da classe Vouga. “Quero mandar construir um novo, mas de forma original, ou seja, com o casco em madeira”, revela o empresário, a propósito do “investimento” que tem projectado para o próximo ano.

“Qualquer dia, até já posso realizar um campeonato só entre a minha frota”, aponta, em jeito de brincadeira.