Ninguém manda nas milícias que combatem pelo controlo de Trípoli

Grupos armados que se pensava estarem ao lado do governo reconhecido internacionalmente espalham agora o caos nas ruas da capital da Líbia. São poucos os diplomatas disponíveis para tentar negociar uma trégua.

Foto
Um rocket caiu na zona onde residem deslocados do conflito na capital Reuters

Era uma tempestade à espera de acontecer. A Líbia não conhece a paz desde o derrube de Muammar Khadafi, em 2011: dois governos apoiados por milícias dizem controlar diferentes partes do país; há milícias que não respondem a nenhuma destas autoridades e o Daesh ocupou partes do território. O caos instalou-se agora em Trípoli, com grupos armados a disputarem o controlo da capital em confrontos que já fizeram pelo menos 47 mortos e 129 feridos, muitos deles civis.

Os habitantes descrevem uma cidade entregue à anarquia, com lojas e stands de carros pilhados. Há cortes de electricidade constantes e desde terça-feira o Facebook, por onde muitos líbios se informam, foi bloqueado na cidade. Muita gente permanece escondida em casa enquanto outros formam longas filas nos bancos para levantar todo o seu dinheiro – ainda há de tudo à venda, mas os preços da comida subiram muito em poucos dias.

O único aeroporto internacional foi encerrado depois da queda de rockets nas imediações. A fuga de 400 prisioneiros da cadeia de Ain Zara só ajudou à desordem. Segundo o jornal The Guardian, os detidos estavam aterrorizados com os combates em redor da prisão – são os piores em quatro anos nas ruas da capital.

“Desde o início dos combates [tudo começou a 27 de Agosto, seguindo-se uma trégua negociada pela ONU e rapidamente quebrada] que muitos civis foram mortos com a queda de rockets em zonas densamente povoadas”, diz o correspondente da televisão Al-Jazira, Mahmoud Abdelwahed. “Muitas pessoas aqui estão a culpar o Governo de Acordo Nacional por não fazer o suficiente para pôr fim ao conflito.”

Em confronto estão essencialmente as milícias que formam o “cartel de Trípoli” e, em teoria, respondem ao Governo de Acordo Nacional (GAN), reconhecido internacionalmente, e a chamada Sétima Brigada (ou Kanyat), uma poderosa milícia da cidade de Tarhuna (é o único grupo armado que controla uma cidade inteira), à qual se juntaram combatentes das regiões de Misurata e Zintan.

A Kanyat, que agora controla o aeroporto internacional, anunciou que com este assalto visa “limpar Trípoli de milícias corruptas que usam a sua influência para conseguir créditos bancários no valor de milhões de dólares enquanto as pessoas comuns dormem na rua à porta de bancos para conseguirem alguns dinares”.

Uma parte do bolo

A verdade é que o “cartel de Trípoli” controla todas as actividades económicas da cidade e a exibição pública de luxo por parte de alguns dos seus comandantes começou a ser conhecida noutros pontos do país. “Nos últimos anos as milícias de Trípoli tinham o governo no bolso e dispunham de todos os recursos da capital. Agora, outras milícias decidiram reclamar uma parte do bolo”, resumiu ao El País um jornalista líbio.

“O que aconteceu é que há seis ou sete meses Zintan, Misurata, Tarhuna e Tajura formaram uma aliança, estavam a planear atacar Trípoli há muito tempo”, explica Tarek Megerisi, analista político e membro de vários think tanks internacionais onde se dedica a acompanhar a realidade líbia.

O que estes confrontos vêm sublinhar de forma muito evidente é que o GAN não tem controlo efectivo sobre nenhuma das milícias que a ele se aliaram. “Toda a gente está sob o governo do GNA porque os ministérios do Interior e da Defesa pagam salários, mas ninguém obedece às suas ordens”, descreve Megerisi, entrevistado pela Al-Jazira.

Para se compreender até que ponto chega o absurdo do caos líbio é preciso ter em conta que os diferentes grupos armados em confronto em Trípoli são todos aliados do GNA e deveriam, em princípio, defender os seus interesses – mas enquanto as milícias que já estavam em Trípoli respondem ao Ministério do Interior, a Sétima Brigada depende, em teoria, do Ministério da Defesa.

Salários pagos

Nos primeiros dias de combates, o Conselho Presidencial do GNA descreveu os membros da Sétima Brigada como “fora da lei”, enquanto o seu chefe do Estado-maior, Abderrahmane Twil, afirmava não saber quem tinha ordenado a esta milícia o ataque sobre Trípoli, negando que pertença ao Estado.

O primeiro-ministro do GNA, Fayez al-Sarraj, assegurava em simultâneo que apesar dos ordenados destes combatentes continuarem a ser pagos, a Sétima Brigada já não responde Estado desde Abril. Um responsável do grupo armado afirma ter recebido entretanto ofertas para altos cargos em troca de conseguir o fim dos confrontos.

Trípoli já não era campo de batalha há bastante tempo, mas a violência nunca deixou de ser quotidiana na Líbia e qualquer acalmia é frágil. Para além dos dois governos, o GNA, de Fayez al-Sarraj, e o Parlamento dos Representantes, liderado pelo general Khalifa Haftar, que domina a Cirenaica (Leste do país) e a principal bacia do petróleo líbio, há ainda a ameaça do Daesh que os EUA combatem no terreno. Aliás, o Pentágono admite retirar as forças especiais que mantém no país, escreve o diário New York Times.

Sem capacidade para pôr fim aos caos, o GNA declarou o estado de emergência, justificado com a necessidade de “proteger civis, propriedades públicas e privadas e instituições vitais”.

Com muito poucas embaixadas em Trípoli – a maioria saiu para Tunes durante os confrontos de 2014 –, não há grandes opções diplomáticas para tentar negociar uma trégua que ponha fim à violência na capital. As Nações Unidas anunciaram na segunda-feira que estavam a tentar reunir as partes para conversações de paz já na terça, sem adiantarem que grupos tinham sido convidados ou poderiam estar presentes. De Trípoli só chegaram notícias de mais confrontos.