Depois de sete anos de jam sessions, o Café Tati vai fechar

O espaço instalou-se no Cais do Sodré quando este era ainda um bairro em mudança, mas vai fechar as portas no final do ano.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Nos anos 1960, o número 36 da Rua Ribeira Nova era um estabelecimento de refrescos chamado Casa da Banana, famoso pelo seu licor do fruto. Mais tarde, ainda foi um armazém de legumes e frutas antes de albergar o Café Tati, um espaço de convívio que foi dos primeiros estabelecimentos do género a surgir num bairro ainda em mudança. O Tati, famoso pelos seus concertos de jazz e jam sessions, vai fechar as portas no final deste ano.

Instalou-se no Cais do Sodré em 2011, quando ainda nem a rua cor-de-rosa ou o Mercado da Ribeira chamavam turistas e moradores para o bairro, e desde essa altura que tem vindo a criar a fama de espaço diferente e acolhedor onde se pode ouvir ou tocar jazz. O espaço vai dar lugar a um restaurante que pagará uma renda muito superior ao que os donos do Tati pagam neste momento. “Disseram-nos que teríamos de sair no final do contrato, mas não tivemos oportunidade de negociar um eventual aumento de renda”, afirma Ramón Ibañes, um dos proprietários. As rendas em Lisboa custam o dobro do resto do país. No resto do país, no Porto, por exemplo, há locais onde as rendas subiram 10 vezes

O Tati, que se inspirou no realizador francês Jacques Tati para a denominação, quis ser uma mistura de café e restaurante, um espaço com muita luz e música, decorado com uma colecção de móveis e objectos vintage emprestados das ruas de Lisboa, achados em lojas de velharias, “roubados” da casa de amigos ou comprados em feiras e mercados, uma mistura entre o novo e o velho. “Nós abrimos no Verão de 2011 e conhecemos um bairro que era mesmo bairro porque nessa altura não havia nada parecido no Cais do Sodré. Só depois do boom do turismo é que esta zona começou a mudar”, acrescenta Ramón.

Gonçalo Marques, responsável pela programação musical do espaço, conta que “o Tati já era conhecido pelas jam sessions que decorrem todos os domingos há largos anos e nas quais têm participado artistas nacionais e estrangeiros”.

PÚBLICO -
Foto
Nuno Ferreira Santos

Até há bem pouco tempo, o Tati também organizava concertos de jazz semanais que chegaram a contar com a presença de “quase todos os músicos principais de Lisboa”, conta Gonçalo Marques. O programador acrescenta que “em Lisboa só há um clube de jazz, o Hot Clube, mas depois existem outros espaços pequenos, que não são muitos, mas que tocam bom jazz. Esse é o caso do Tati”.

As jam sessions ao domingo à tarde eram também um ponto de encontro de famílias e amigos que frequentavam o café já à espera de bom ambiente e de um concerto grátis, fosse de jazz, música portuguesa, ritmos africanos ou rock espanhol. O espaço ficou também conhecido como um local de encontro da associação cultural Catalunya Presenta em Lisboa, onde portugueses e catalães residentes em Lisboa podiam desfrutar de “degustações de história, poesia, música, e cultura e de um jantar catalão com ementa e concerto à medida”, diz o co-proprietário.

Segundo Ramón, o fecho do espaço ainda não foi anunciado oficialmente aos clientes, mas afirma que “o sentimento geral de quem já sabe é de tristeza, porque é um espaço que está há muitos anos na cidade e é para muita gente uma referência, um café que se tornou um ponto de encontro de muitas coisas, não só de café, gastronomia e música”. Quem já sabe que o Tati vai fechar lamenta que “um espaço como este” vá fechar. É o caso de Maria Almeida, que no tempo de aulas estuda nas mesas já de madeira descascada do Tati, e no Verão descontrai nos sofás já gastos. “O Tati tem tudo”, diz Maria.

O contrato do espaço termina a 31 de Dezembro, altura em que o negócio terá de sair. Até lá, estará aberto e a programação habitual vai manter-se, incluindo as jam sessions, que decorrem todos os domingos às 18h. Para o futuro, fica a promessa de abrir um espaço semelhante e com o mesmo espírito. Tudo estará “dependente do sítio que encontrarmos para nos acolher”, diz Ramón Ibañes.

Artigo corrigido às 13h45 do dia 30 de Agosto de 2018: a abertura do Café Tati deu-se em 2011 e não em 2006.