Fotografia

A relação “olhos nos olhos” de um fotógrafo com uma comunidade cigana

João Pedro Santos
Fotogaleria
João Pedro Santos

João Pedro Santos tinha um trabalho para fazer e uma “curiosidade” à espera de ser satisfeita. Queria ver como vivia a comunidade cigana que, quando ele era um menino de dez anos, foi obrigada a deixar Francelos. Quatro meses depois, o curso no Instituto Português de Fotografia, no Porto, já está concluído (“com sucesso”, aponta), mas a curiosidade inicial cresceu para uma “amizade profunda” pela comunidade que o “recebeu sem reservas”. E o projecto fotográfico “está longe de ter um fim”.

João continua a visitar “quase diariamente” as pessoas que aqui retrata, agora como voluntário num projecto de inserção social direccionado às crianças e jovens do Bairro do Olival, em Vila Nova de Gaia.  Descobriu a história, por acaso, numa reportagem publicada no PÚBLICO. Em 2001, a jornalista Ana Cristina Pereira escrevia: “Viviam, com as 27 famílias, em barracas de zinco erguidas num terreno contíguo à Avenida de Francelos. Foi por ordem do Tribunal de Justiça, e num clima de tensão fortemente favorecido pela presença de um gigantesco aparato policial, que se transferiram provisoriamente para a Serra do Pilar. E foi sob grandes protestos da população local que, em Setembro último, foram instalados ali, no Bairro de Olival.”

Passaram-se 17 anos e as crianças de então, mencionadas na reportagem, são agora os pais das crianças retratadas no trabalho de João Pedro Santos. Que não esconde: “Entrei no bairro à procura de fazer justiça para aquelas famílias, marcadas pela xenofobia”, declara. Começou a estabelecer uma relação com as crianças — "que não sabem mesmo mentir" —  e com elas calcorreou as casas todas do bairro. "Está nelas o ponto de viragem", acredita. A quem questionava as suas intenções, explicava-se. "Nunca me leram a sina, nunca vi uma arma, nunca me senti em perigo."

De um trabalho fotojornalístico, sobre o passado e o presente, “passou a um trabalho documental para mostrar um futuro". “Quero mostrar ao Diogo, daqui a uns anos, que ele se vestia assim.” Quer apoiar a Teresa, que lhe confessou querer ser cantora, para logo depois emendar: “Mas sei que não vou ser porque sou cigana.” E quer expor, através da fotografia, o mesmo que respondeu a um dos adultos, quando ele, "olhos nos olhos", lhe perguntou: “João, és um ‘pajo’ [homem branco] no meio de ciganos. Estás aqui connosco há quatro meses. Diz-me, és capaz de falar mal de um cigano?”.

João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
João Pedro Santos
Sugerir correcção