Facebook admite lentidão a combater ódio contra minoria rohingya na Birmânia

O Facebook está a contratar mais pessoas e a investir em ferramentas de inteligência artificial para impedir o discurso de ódio de proliferar na rede social.

Foto
Milhares de rohingyas foram obrigados a sair da Birmânia Reuters/MOHAMMAD PONIR HOSSAIN

O Facebook admitiu ser demasiado lento a prevenir o uso da rede social para incentivar a violência contra a minoria rohingya na Birmânia, que tem vindo a aumentar nos últimos anos, com milhares de pessoas a terem de abandonar o país.

“Temos sido muito lentos a prevenir a informação falsa e o discurso de ódio", lê-se num texto publicado esta semana, em que a rede social descreve a situação naquela região como "horrenda" e aponta a inteligência artificial como uma forma de começar a resolver o problema.

A declaração surgiu horas depois de a agência noticiosa Reuters publicar uma investigação que mostra como o Facebook continua a alojar mais de mil mensagens (em formato de imagens, vídeos, e comentários) a promover o ódio contra a comunidade rohingya na Birmânia. Na rede social é comum encontrar fotografias de refugiados rohingya com comentários de birmaneses budistas a sugerir “atear fogo aos barcos para conhecerem Alá mais depressa” ou “lutar contra eles da mesma forma que Hitler lutou contra os judeus.” Com as tentativas da rede social para moderar o conteúdo, também são acidentalmente bloqueadas contas de activistas a defender os direitos dos rohingya.

PÚBLICO -
Foto
No Facebook circulam comentários a sugerir atear foto aos barcos com refugiados rohingya Navesh Chitrakar/Reuters

Em Março a ONU identificou o Facebook como tendo um “papel determinante” na violência de que os rohingya são alvo. Há anos que aquela comunidade é perseguida na Birmânia devido às suas crenças, porque a maioria da população birmanesa é budista e o governo não reconhece os muçulmanos como cidadãos legítimos. O Facebook, porém, veio acentuar o problema. As notícias falsas – que culpam a minoria muçulmana dos males do país – levam militantes do país a atacar, violar e assassinar membros dessa comunidade. Mais de 700 mil rohingya já tiveram de abandonar o país. 

Parte do problema é a falta de literacia digital da população, num país onde a penetração da Internet está a crescer. Em menos de uma década, a população do país com acesso ao Internet, aumentou 97%, de acordo com dados da organização não-governamental We Are Social. Em 2012, apenas 1,1% das pessoas tinham acesso à Internet. Em 2017, cerca de 25% estava conectada. A maior parte das pessoas, acede à Internet através do telemóvel, com pacotes de subscrição mensais que incluem mensagens ilimitadas no Facebook, visto como uma fonte fidedigna de informação, algo que grupos de extremistas budistas e forças militares aproveitam para fazer campanha contra os muçulmanos no país.

O escândalo com a Cambridge Analytica – em que dados de milhões de utilizadores da rede social foram usados indevidamente – pôs a questão sob holofotes no Ocidente, levando Mark Zuckerberg, a prometer, no congresso norte-americano, investir mais recursos em resolver o problema. Desde então, o Facebook contratou mais 60 especialistas em birmanês e enviou alguns trabalhadores ao país para perceber a situação no local.

Nos últimos meses, o site conseguiu identificar por si 52% dos conteúdos removidos incitarem ao ódio ou conterem informação falsa, com o restante a chegar ao conhecimento da rede social através de queixas de utilizadores.

 “A rapidez em que o conteúdo problemático é reportado em birmanês, seja informação falsa ou discurso de ódio é baixa”, admitiu, no entanto, Sara Su, gestora de produto do Facebook. “Isto deve-se a dificuldades técnicas com as nossas ferramentas, e uma falta de conhecimento das nossas políticas no país. É por isso que estamos a investir muito na inteligência artificial."

No entanto, Mark Zuckerberg admitiu que vai demorar anos até que os algoritmos sejam capazes de perceber nuances no discurso humano. Por isso, além da inteligência artificial, o Facebook também mudou a política da rede social para permitir que conteúdo com ameaças credíveis de violência seja removido imediatamente. “A política é global, mas vamos focar os nossos esforços, primeiro, nos países onde a informação falsa tem consequências de vida ou de morte”, esclareceu Sara Su.

A investigação da Reuters nota que o Facebook não é a única rede social com discurso de ódio contra os rohingya. No Twitter, surgiram centenas de contas para motivar a comunidade muçulmana a abandonar as suas casas e para abafar mensagens e notícias de apoio por parte de outros países.