Associação sindical da PSP prepara vigílias e manifestações a partir de setembro

A ASPP/PSP diz que no efectivo de polícia a média de idade ronda os 45 anos, algo "preocupante" tendo em conta que a polícia desempenha um serviço essencialmente operacional.

Vigilia de policias e militares em Maio (Paulo Rodrigues à direita)
Foto
Vigilia de policias e militares em Maio (Paulo Rodrigues à direita) Nuno ferreira Santos

A Associação Sindical dos Profissionais da PSP (ASPP/PSP) iniciará no próximo mês acções como manifestações e vigílias caso continuem por satisfazer as reivindicações dos polícias.

A decisão foi tomada nesta terça-feira numa reunião do órgão executivo da associação, depois de já em Julho os polícias da ASPP/PSP terem feito a mesma advertência.

À Lusa, o presidente da ASPP/PSP, Paulo Rodrigues, explicou que a associação, devido ao período de férias, ficou mais tempo à espera que o Governo responda a duas questões que os polícias consideram fundamentais, a pré-aposentação e a correcção da "ilegalidade do corte dos suplementos em tempo de férias".

De acordo com Paulo Rodrigues, se até à última semana de Setembro persistir o silêncio do Governo vão ser feitas acções de protesto, ainda não definidas, mas que serão nomeadamente manifestações e vigílias, além de outras iniciativas que possam ser "assumidas por cada profissional".

Paulo Rodrigues explicou que as listas de pré-aposentação já deviam ter sido publicadas e ainda não foram, e acrescentou que a ASPP/PSP não aceita menos de 800 profissionais, porque os estatutos dizem que todos os anos devem sair 800 profissionais e o que tem acontecido é que "apenas têm deixado sair entre 300 a 400".

"Hoje há comandos onde já se ultrapassa os 50 anos na média de idades", disse. A ASPP/PSP diz que no efectivo de polícia a média de idade ronda os 45 anos, "preocupante" tendo em conta que a polícia desempenha um serviço essencialmente operacional.

Quanto ao corte nos suplementos aos polícias em tempo de férias, disse Paulo Rodrigues que foi entregue à direcção nacional uma carta a exigir o cancelamento da medida, tendo a direcção nacional encaminhado o pedido para o Ministério da Administração Interna, que ainda não deu resposta.

"A ASPP/PSP não pode aceitar que o Governo continue a cortar os suplementos aos polícias em tempo de férias, apesar do acórdão do Supremo Tribunal Administrativo ter dado razão à ASPP/PSP", diz-se num comunicado da estrutura.

Em Março, o Supremo Tribunal Administrativo decidiu que eram ilegais os cortes aos vários subsídios atribuídos aos polícias, incluindo os suplementos especiais de serviço, de patrulha e de turno, em período de férias, depois de uma acção interposta pela ASPP/PSP.

Em Julho, o presidente da ASPP/PSP já tinha dito à Lusa que considerava inaceitável que a direcção nacional ainda não tivesse acatado a decisão, uma vez que foi notificada pelo tribunal em Março para suspender os cortes.