Memórias de uma viagem ao Japão

Tiago Silva passou 23 dias no Japão, naquela que foi a melhor viagem da sua vida. Da aventura resultou uma série de fotografias que retratam o quão peculiar é a cultura japonesa.

Fotogaleria
Ginza, Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Osaka, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Osaka, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Kinkakuji, Quioto, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Ginza, Tóquio Tiago Silva
Fotogaleria
Shibuya, Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Shibuya, Tókio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Ginza, Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Kobe-shi, Hyogo, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Osaka, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Takeshita Street, Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Ginza, Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Osaka, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Tóquio, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva
Fotogaleria
Nara, Japão Tiago Silva

Quando chegou à estação de Shibuya, em Tóquio, Tiago Silva pousou as malas e durante largos minutos ficou parado, a olhar em redor. “Era demasiada informação para absorver”, conta. Foi no dia 1 de Junho, por pura coincidência Dia Mundial da Criança, uma vez que era mesmo esse o espírito com que Tiago embarcou nesta viagem: o espírito de uma criança que quer descobrir o mundo à pressa, tudo de uma vez.

Poucos dias antes despediu-se (ou melhor, disse “até já”) da agência onde trabalhava como redactor publicitário há cerca de cinco anos. “Tinha chegado a altura de me retirar e explorar outras vertentes da criatividade, nomeadamente a fotografia”, conta, ao telefone de Lisboa, ainda em “depressão pós-viagem”.

Vinte e três dias, oito cidades, um país. “Foi a melhor viagem da minha vida." Partiu para terras nipónicas “com a melhor companhia que podia ter”: a sua Fujifilm X-T10. Especialista em captar "fotografias que não se encontram no Google" nos tempos livres, Tiago viu nesta aventura de quase um mês pelo seu “destino de sonho” a oportunidade ideal para explorar a fotografia sem pensar em mais nada: “Sem deadlines, sem briefings, sem ter alguém a aprovar as ideias.”

Da viagem, trouxe memórias que não cabem nos quatro cartões que encheu com fotografias. “Quando se viaja sozinho acaba-se sempre por conhecer mais pessoas”, e quando se passeia de câmara na mão ainda mais amigos se fazem. Para o jovem de 24 anos, “quando fotografas alguém é como se a cada ‘clique’ estivesses a dar um 'passou bem'.”

PÚBLICO -
Foto
Tiago imergiu totalmente na cultura japonesa Tiago Silva

Partiu sem saber quantos dias iria ficar, “ia com o flow”. Marcava as estadias no comboio, pelo caminho, e se gostava do sítio ficava mais tempo. “Só tinha as primeiras duas ou três noites marcadas, planeava ficar cinco dias em Tóquio mas gostei tanto que fiquei o dobro”, recorda Tiago. Em Nara aconteceu a mesma coisa: chegou ao hostel, fez amizade com o proprietário – grego, por ali há 17 anos –, e depois de uma boa conversa disse: “Hei, podes marcar mais uma noite? Estou mesmo a gostar de estar aqui.”

Um mundo à parte

Para Tiago, o Japão é um mundo à parte: “É como se chegasses e tivesses não só um jet-lag físico, mas também emocional.” A cultura, a educação e os hábitos dos japoneses fizeram com que o regresso a Lisboa, há algumas semanas, parecesse um “choque cultural”.

Mesmo que 23 dias seja pouco tempo, a experiência foi tão imersiva que Tiago sente que passou um ano naquele país. “De manhã já ia comprar o pequeno-almoço de robe e chinelos e tirava os sapatos no restaurante, como eles”, exemplifica.

Para além de Tóquio, visitou outras cidades como Quioto, Osaka, Naoshima, Kobe e Nara, onde viveu uma das experiências mais marcantes desta viagem. A 16 de Junho acordou sobressaltado com o solo a tremer. Apenas teve tempo de se vestir, pegar nas malas e sair do hostel. “Quando dou por mim chego à rua, superassustado, e está toda a gente normal porque era só mais um terramoto.” Apesar da calma que se vivia em Nara, a 30 quilómetros, em Osaka, o sismo de 6,1 graus na escala de Ritcher (o mais forte alguma vez registado naquela cidade) provocou três mortos e duas centenas de feridos.

Tiago já esteve no Brasil, Cuba, Istambul e outros locais igualmente interessantes, mas nada se compara a esta aventura. São várias as recordações (fotográficas e mentais) que guarda: desde os jantares “à luz do tradutor da Google”, ir ao karaoke vestido de astronauta, ser atacado por veados selvagens, comer o “melhor e o pior” sushi da sua vida ou visitar um templo cheio de macacos.

PÚBLICO -
Foto
Tiago destaca a civilização e educação dos japoneses Tiago Silva

Quase como uma “cronologia inconsciente”, as fotografias espelham a forma como, a pouco e pouco, se foi aproximando dos japoneses e absorvendo os detalhes desta cultura. “À medida que a viagem vai avançando, os sorrisos deles são maiores porque já estou muito mais à vontade e, se calhar, antes de tirar uma fotografia já conversei um pouco com eles”, analisa Tiago.

Através da fotografia, conheceu muita gente e criou amizade com pessoas com quem ainda se mantém em contacto. Ao mesmo tempo, Tiago sentiu-se sempre apoiado pelos seguidores que já tinham visitado o Japão e lhe davam sugestões. “Sinto que se cria uma comunidade, agora quando vejo [nas redes sociais] pessoas no Japão faço o mesmo: estive lá, tenho de as ajudar como me ajudaram a mim.”

Para Tiago, viajar sozinho tem ainda outras vantagens: “Estás só tu e a tua câmara, se quiseres podes passar 20 minutos no mesmo sítio à espera que um camião passe para tirares a foto perfeita.”

Antes de voltar ao trabalho, o criativo tenciona fazer outra viagem do género desta mas ainda não pensou em destino. “Logo se vê”, diz. Nós cá esperamos por mais fotografias.