Cinco pessoas morreram nas estradas este domingo

Dois dos quatro acidentes com vítimas mortais este domingo envolviam motas.

Em 2017, morreram 509 pessoas na estrada — mais do que no ano anterior
Foto
Em 2017, morreram 509 pessoas na estrada — mais do que no ano anterior Enric Vives-Rubio

Os dados disponíveis da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativos a este ano mostram que houve mais acidentes com vítimas mortais entre Janeiro e Abril de 2018 do que no mesmo período homólogo de 2017. Só este domingo, morreram pelo menos cinco pessoas nas estradas – em Cascais, Loulé, Vila Nova de Gaia e Odemira.

Dois dos acidentes com vítimas mortais deste domingo envolveram motas. Na Estrada Nacional 247, que liga Cascais à praia do Guincho, uma colisão entre duas motas provocou na madrugada de domingo duas vítimas mortais. O alerta foi dado às 00h35 e não se sabe ainda o sexo ou a idade das vítimas. Também este domingo, morreu um homem com cerca de 40 anos em Vila Nova de Gaia, na sequência de um despiste de mota numa via urbana em Santa Marinha. O alerta do sinistro foi dado por volta das 13h e não se sabe o que esteve na origem do despiste.

As autoridades registaram dois outros acidentes com vítimas mortais este domingo. Em Boliqueime, no concelho de Loulé, um ciclista de 66 anos morreu de manhã depois de ter sido atropelado na Estrada Nacional 270 por um condutor que se encontra em fuga. "O veículo [de matrícula portuguesa] foi, entretanto, localizado no Monte Escarpão, em Paderne, no concelho de Albufeira, mas sem sinais do condutor", referiu uma fonte da GNR ouvida pela Lusa, acrescentando que o proprietário apresentou queixa por furto do mesmo". A investigação ficou a cargo do Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da GNR.

O despiste de um automóvel na Estrada Municipal 501, no concelho de Odemira (Beja), provocou a morte a um homem de 68 anos. O alerta foi dado às 00h56 e o despiste aconteceu numa curva perto das localidades de Relva Grande e São Teotónio. Segundo a GNR, a vítima mortal era o condutor e único ocupante da viatura, tendo ainda sido transportado com vida para o Centro de Saúde de Odemira, mas acabou por não resistir aos ferimentos.

Entre Janeiro e Abril de 2018, houve um total de 132 mortos, mais sete do que no mesmo período do ano anterior. Ao todo, foram registados 10.019 acidentes com vítimas nos primeiros quatro meses deste ano – o número mais elevado desde 2012 para estes meses.

Em 2017, morreram 509 pessoas nas estradas portuguesas, mais 64 do que em 2016. Esta foi a primeira vez que o número de mortos aumentou desde 2011. Antes de 2012, os números de vítimas mortais por ano eram mais elevados: em 2008, por exemplo, houve 776 mortes na estrada.

No relatório de 2017, é referido que tem havido mais motociclos (26 por cada 1000 em circulação) intervenientes em acidentes, um número superior aos dos veículos pesados (13 por cada 1000) ou dos veículos ligeiros (oito em cada 1000). Estes valores levaram o presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, José Miguel Trigoso, a afirmar à Lusa que “o aumento da sinistralidade grave, mortos e feridos graves, está todo exclusivamente concentrado nos motociclos”.