Bruno de Carvalho convoca eleições se jogadores ficarem no Sporting

William, Gelson, Bruno Fernandes e Bas Dost avançaram com rescisão por justa causa. Já são seis, no total, os pedidos para sair

Bruno de Carvalho, Sporting CP, SL Benfica
Foto
Bruno de Carvalho LUSA/ANTÓNIO COTRIM

Tudo depende de uma carta a ser assinada por cada um dos seis jogadores do Sporting (Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes, Daniel Podence, Gelson Martins e Bas Dost) que já invocaram justa causa para rescindir o contrato com o clube: se os futebolistas se comprometerem a voltar atrás e garantirem que continuam no emblema de Alvalade, a direcção liderada por Bruno de Carvalho demite-se e convoca eleições. A palavra foi dada numa conferência de imprensa ontem à noite, em que o presidente “leonino” admitiu que poderão chegar mais cartas de rescisão até dia 15 e aludiu a uma “estratégia de desgaste” que tem por alvo a direcção que encabeça.

“Voltarem atrás para serem vendidos ao desbarato não vale a pena. Se o problema é este Conselho Directivo, basta os seis atletas que rescindiram escreverem uma carta à Sporting SAD dizendo duas coisas: que se esta Direcção se demitir voltam atrás com as rescisões e voltam a jogar no Sporting. E que, se formos a eleições, voltarmos a candidatar-nos e ganharmos, continuam no Sporting. Bastam estas cartas dos seis, não de um, e na hora demitimo-nos”, afirmou o presidente dos “leões”. Mas Bruno de Carvalho admitiu também que poderão chegar mais cartas de rescisão até dia 15 (data em que passa um mês sobre o ataque à academia de Alcochete e marca o limite do prazo legal para os jogadores apresentarem a rescisão).

“Isto faz parte de um esquema”, acrescentou o líder “leonino”, confirmando a recepção das cartas de rescisão de William Carvalho, Bruno Fernandes, Gelson Martins e Bas Dost – a juntar às de Rui Patrício e Daniel Podence, entregues anteriormente. “Há aqui uma situação de chantagem, que mais uma vez não parece nada que seja para ser levada até ao fim. A argumentação é tão fraca que já se percebeu que estes processos não são para ser levados até ao fim”, sublinhou Bruno de Carvalho, prosseguindo: “No dia em que formos embora, estes processos caem – não porque nos fomos embora, mas porque têm de cair. Se forem até ao fim, os jogadores perdem. Posso garantir que estes processos de rescisão não vão dar em nada.”

Numa conferência de imprensa que durou pouco mais de meia hora, Bruno de Carvalho reiterou a disponibilidade dos serviços do Sporting para receber qualquer pedido de Assembleia-Geral destitutiva: “Não compreendemos quando dizem que estamos agarrados ao poder. Estamos perfeitamente disponíveis para virem entregar [o pedido], quem deve decidir se o Conselho Directivo continua ou não são os associados”. No exterior do auditório Artur Agostinho, durante e após a conferência de imprensa, alguns adeptos expressaram o seu descontentamento com o rumo dos acontecimentos.

Também a Holdimo, segundo maior accionista da SAD do Sporting, manifestou o seu “profundo desagrado” com as rescisões ontem conhecidas. “É mais um momento triste para um calvário que tem assolado o dia-a-dia dos sportinguistas. Mas o lamento não chega, é preciso reagir e agir”, lia-se num comunicado.

115 milhões a escapar

A saída dos seis jogadores que já formalizaram o pedido de rescisão por justa causa do contrato que os ligava ao Sporting representará um prejuízo não apenas desportivo, mas também financeiro. Os “leões” não só perdem elementos importantes do plantel, como não ganham nada com isso. Segundo os dados do site Transfermarkt, são praticamente 115 milhões que o Sporting deixa escapar.

O futebolista com valor de mercado mais elevado é Gelson Martins, avaliado por este portal especializado em 30 milhões de euros. O valor de mercado de William Carvalho cifra-se em 25 milhões, com Bruno Fernandes avaliado em 20 milhões. Bas Dost está valorizado em 19 milhões, Rui Patrício em 16, e a cotação de Daniel Podence ronda os 4,5 milhões. Tudo somado, são 114,5 milhões de euros que não entram nos cofres de Alvalade, porque estes jogadores passam a ser livres de assinar por qualquer outro clube.

Quatro deles encontram-se ao serviço da selecção portuguesa e preparam-se para disputar o Mundial: Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes e Gelson Martins vão estar na “montra” na Rússia. À excepção de Bruno Fernandes, contratado há um ano à Sampdoria, o lote de cinco jogadores que avançou para a rescisão por justa causa tem uma longa ligação ao Sporting. Rui Patrício, William Carvalho, Daniel Podence e Gelson Martins fizeram toda ou parte da formação futebolística no emblema “leonino”.

Há um ano, Bruno Fernandes custou 9,7 milhões de euros ao Sporting e assinou contrato até 2022, “blindado” por uma cláusula de rescisão no valor de 100 milhões de euros. Gelson Martins renovara a ligação ao Sporting em Fevereiro de 2017, comprometendo-se até 2022 com uma cláusula de 60 milhões. Um ano antes tinha sido William Carvalho a assinar novo vínculo, válido até 2020 e com 45 milhões previstos na cláusula de rescisão. Bas Dost, contratado há dois anos ao Wolfsburgo por dez milhões, assinara até 2020, com cláusula de rescisão de 60 milhões.

Sugerir correcção