Ex-líder da Juve Leo Fernando Mendes detido

O ex-líder da Juventude Leonina foi detido durante uma operação policial. Em causa estão as agressões em Alcochete.

Foto
LUSA/MÁRIO CRUZ

A polícia deteve na noite desta quarta-feira, em Lisboa, Fernando Mendes, ex-líder da claque "leonina" Juve Leo, avançou a TSF.  De acordo com rádio, a detenção resulta de uma operação policial que envolveu 15 elementos da polícia. Nuno Torres, o condutor do veículo que saiu da Academia do Sporting pouco tempo depois das agressões, também está entre os detidos.

PÚBLICO -
Aumentar

Sem revelar nomes, a Procuradoria Distrital de Lisboa confirmou na manhã desta quinta-feira que "foram detidos quatro novos suspeitos, entretanto constituídos arguidos, por existirem fortes indícios de comparticipação nos factos ocorridos no dia 15.05.2018 cerca das 17h, na Academia do Sporting Clube de Portugal (SCP), susceptíveis de integrar a prática dos crimes de introdução de lugar vedado ao público, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, sequestro, dano com violência, detenção de arma proibida agravado, incêndio florestal, resistência e coacção sobre funcionário e terrorismo".

"Os quatro detidos serão presentes ao JIC [Juiz de Instrução Criminal] do Barreiro para aplicação de medida de coacção adequada", diz ainda a nota da PGL, referindo que "foram emitidos quatro mandados de busca domiciliária e uma não domiciliária".

A detenção de Fernando Mendes está relacionada com as agressões a jogadores e equipa técnica do clube de Alvalade na Academia do Sporting, em Alcochete, a 15 de Maio. Nuno Torres, o proprietário do BMW azul que foi buscar Fernando Mendes à academia "leonina" no dia das agressões, também foi detido.

No testemunho do então treinador do Sporting, Jorge Jesus, à GNR do Montijo no dia das agressões, o técnico dos "leões" tinha colocado Fernando Mendes no local onde decorreram as agressões. Segundo Jorge Jesus, o antigo líder da Juve Leo estava de cara destapada, e disse ao treinador que estavam ali "só para falar". "Fernando, ajuda, estes gajos estão a bater nos jogadores, ajuda-me", ter-lhe-á dito Jorge Jesus. Fernando Mendes terá respondido apenas: "A gente não veio aqui para bater, só para falar".

Jesus acabaria, no entanto, por ser agredido "com um cinto de cor verde" e quando estava no chão foi pontapeado por um segundo agressor. 

Para além de Jorge Jesus, outras testemunhas colocam Fernando Mendes entre o grupo dos cerca de 50 suspeitos responsáveis pelas agressões. No entanto, acabou por não ser um dos 23 detidos pela GNR, que já foram ouvidos pelas autoridades e estão em prisão preventiva

O juiz que presidiu os interrogatórios considerou que os agressores "sabiam que o grupo tinha como intenção a prática de actos violentos e agressivos", dado o planeamento do ataque.

Entre a lista de factos sustentados pelo despacho assinado pelo juiz estão a "marcação antecipada do encontro no parque de estacionamento de um supermercado, a circulação dos veículos em fila na direcção da academia, o estacionamento dos carros a um quilómetro de distância do portão de acesso ao recinto, a entrada na academia a correr, de cara tapada e em bando, e a utilização de artefactos pirotécnicos". 

À data, a actual direcção da Juve Leo demarcou-se entretanto do ataque em Alcochete. "Não podemos admitir os ataques que nos têm sido feitos lá porque aparece uma pessoa com a camisola da claque", declarou o grupo.