"Vouchers": Benfica garante "nega" a recurso do Sporting

Águias emitem comunicado sobre posição da UEFA relativamente ao "caso dos vouchers".

Rui Vitória, Jorge Nuno Pinto da Costa, SL Benfica
Foto
PAULO NOVAIS/LUSA

O Benfica assegurou esta quarta-feira, em comunicado, que o Comité de Apelo da UEFA rejeitou o recurso do Sporting sobre o denominado “caso dos vouchers”, confirmando decisões anteriores de um processo que remonta a 2016.

"Após audiência disciplinar realizada no dia de ontem [terça-feira], em Nyon, na Suíça, o Comité de Apelo da UEFA veio rejeitar o recurso interposto pelo Sporting contra a decisão do Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA de não instaurar qualquer processo disciplinar ao Benfica", pode ler-se no comunicado dos “encarnados”.

A decisão confirma "aquela que foi proferida a 21 de Novembro de 2016", sendo que esta era a terceira e última decisão, mediante recursos do Sporting apelando a uma intervenção disciplinar.

Segundo o Benfica, "veio a confirmar-se a legalidade de procedimentos" do clube lisboeta, sendo que a decisão corrobora, também, "todas as anteriores decisões tomadas pelas diversas instâncias desportivas nacionais", nomeadamente a Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol e o Tribunal Arbitral do Desporto.

O “caso dos vouchers” decorre de declarações do presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, em 5 de Outubro de 2015, num programa televisivo da TVI, sobre ofertas do Benfica a equipas de arbitragem em todos os jogos que poderiam atingir um valor global por época a rondar os 250 mil euros.

Em 24 de Janeiro, o Ministério Público (MP) confirmou ter juntado os inquéritos ao caso dos “emails”, também envolvendo as “águias”, com as investigações em segredo de justiça.