Fotografia

Estas famílias declararam guerra ao plástico

Japão
Fotogaleria
Japão

Fazer compras e evitar plásticos pode ser um desafio, mas há famílias, espalhadas pelo mundo, que decidiram aceitá-lo. Declararam guerra ao plástico e estão determinadas a diminuir o seu uso e a reciclar sempre que possível, de forma a reduzir o impacto ambiental. O fenómeno foi registado por fotógrafos da Reuters, que percorreram o globo à procura de famílias que, apesar de separadas geograficamente, se unem pela mesma causa. Além dos retratos, os fotógrafos registaram a quantidade de plástico gasto em cada casa durante uma semana.

 

Para Eri Sato, uma das participantes da campanha, a tomada de consciência do impacto do plástico no ambiente surgiu quando se voluntariou para limpar o oceano no Japão, depois do tsunami de 2011. Decidiu, então, pôr mãos à obra para reduzir a pegada de carbono. Como? "Em vez de garrafas de plástico descartáveis, usamos garrafas reutilizáveis. Também trocamos o champô embalado por sabonetes. A nossa escova de dentes é feita de bambu e usamos sacos de compras reutilizáveis, sempre que possível", explica Eri Sato, citada pela Reuters. E o mundo pode ser mudado assim mesmo, com simples hábitos que se vão criando, como é o caso de Mugdha Tanmay Joshi, que leva sempre talheres consigo, para evitar o uso de plástico descartável, ou da família indiana Shrestha, que guarda os sacos plásticos que adquire no mercado onde compra vegetais para mais tarde os devolver aos vendedores e evitar que gastem sacos novos.

 

Para os Gan, de Singapura, a mudança surgiu quando, nas aulas de Budismo, perceberam que o desperdício de plástico prejudicava outros seres na Terra. Desde então, tentam controlar o desejo de comprar produtos desnecessários. Se, por exemplo, lhes apetecer um bubble tea, levam o seu próprio copo e evitam que se gaste mais um copo de plástico e uma palhinha. O resultado é um desperdício quase nulo, como a imagem 18 da galeria mostra. Ainda não descobriram, contudo, algo que possa substituir as fraldas descartáveis do filho. "Coloco uma fralda de pano quando o Kyler chega a casa, mas usamos pelo menos uma descartável por dia", afirma Audrey Gan.

 

Mas a protecção do ambiente não se esgota nas famílias. Lauren Singer vai mais longe e expõe todo o plástico não reciclável ou degradável que guardou nos últimos cinco anos em Brooklyn, nos Estados Unidos. É proprietária de um negócio que tem como missão vender produtos com impacto positivo no ambiente, com pouco ou nenhum desperdício de plástico, e é fundadora do Trash is for Tossers, um blogue com informações ambientalistas. Para Gaspar Antuna e Elena Vilabrille, informação é precisamente um factor que os preocupa — concretamente, a falta de informação institucional. A família espanhola opta por produtos em segunda mão, mas acredita que a diminuição do plástico podia ser optimizada se os consumidores soubessem como ser conscientes. 

 

Cada uma com o seu método, estas famílias tentam, pouco a pouco, tornar o planeta mais sustentável e proteger as gerações futuras, num momento em que os números relativos ao desperdício do plástico dão que pensar. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, são desperdiçados 300 milhões de toneladas de plástico todos os anos — o equivalente ao peso de toda a população humana — e, por minuto, são compradas cerca de um milhão de garrafas de plástico. Metade do plástico produzido está pensado para ser usado uma única vez e, depois, deitado fora. 

Durante uma semana, este foi o plástico que os Sato juntaram — Kim Kyung-Hoon/Reuters
Durante uma semana, este foi o plástico que os Sato juntaram — Kim Kyung-Hoon/Reuters
EUA
EUA
Os Wilbur tiveram dificuldades em encontrar produtos não embalados em plástico — Brian Snyder/Reuters
Os Wilbur tiveram dificuldades em encontrar produtos não embalados em plástico — Brian Snyder/Reuters
Índia
Índia
Danish Siddiqui/Reuters
Danish Siddiqui/Reuters
Israel
Israel
Corinna Kern/Reuters
Corinna Kern/Reuters
Nepal
Nepal
Os Shrestha juntam os sacos plásticos para os devolverem no mercado onde compram — Navesh Chitrakar/Reuters
Os Shrestha juntam os sacos plásticos para os devolverem no mercado onde compram — Navesh Chitrakar/Reuters
Escócia
Escócia
Para os Downie, os governos devem esforçar-se mais para reduzir o plástico — Russell Cheyne
Para os Downie, os governos devem esforçar-se mais para reduzir o plástico — Russell Cheyne
Espanha
Espanha
Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters
Espanha
Espanha
Jon Nazca/Reuters
Jon Nazca/Reuters
Singapura
Singapura
Feline Lim/Reuters
Feline Lim/Reuters
Alemanha
Alemanha
Hannibal Hanschke/Reuters
Hannibal Hanschke/Reuters
Espanha
Espanha
Paul Hanna/Reuters
Paul Hanna/Reuters
EUA
EUA
Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters
Grécia
Grécia
Alkis Konstantinidis/Reuters
Alkis Konstantinidis/Reuters