Crónica

É o Dia da Criança, era todos os dias

Lembro-me do calor, da segurança e da liberdade. É Dia da Criança e lembro-me destas fotos comigo lá dentro.

Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Quando me apercebi que existia, passou a ser um dia como os outros, ou seja, esses dias em que, fosse Inverno ou Verão, me sentia sempre quente e protegido – e não falo do clima, falo daquilo que a memória preservou, uma segurança tão total que nem imaginava que fosse possível não a ter, em que nem imaginava que não fosse possível ter o tempo todo ocupado a montar uma bicicleta, aos pontapés numa bola ou fechado em casa a inventar mundos incríveis com praticamente nada.

Quando me apercebi que havia um Dia da Criança, tornou-se então um dia como os outros, com o aliciante de haver uma surpresa em forma de prenda para tornar a coisa mais interessante (quando calhava ou seria todos os anos?, já não me lembro). Não era prenda com o peso oficial do Natal ou de um aniversário, era uma recordação, uma surpresa simpática, digamos, antes de o dia continuar a correr livre como os outros.

Quando me apercebo agora que ainda existe Dia da Criança, vejo que tanto muda, que o mundo se transforma tão radicalmente, mas somos ainda o que fomos e seremos. Em crianças, aqueles que têm o privilégio de ter para si aquele calor e aquela segurança são o que sempre foram. Há-de ter-se encontrado na escavação de uma qualquer villa romana uma pequena escultura em forma de bicho, com que brincavam os futuros patronos e as futuras matronas da casa. E recordo-me bem de ter lido uma notícia que dava conta da descoberta, algures na Rússia, do desenho que um miúdo do século XIII deixou gravado em madeira – era o seu bloco de pintura e ali deixou a imagem de um cavaleiro e a história que inventou para ele.

Ser criança é viver um Verão que parece eterno e isso não muda, como tenho comprovado, agora que sou eu a puxar toalhas sobre a areia como trenós improvisados, e os pequenos seres que são transportados riem tanto como eu ria na mesma posição. Ser criança deve ser transformarmo-nos em monstros assustadores ou simpáticos (é indiferente, arrancam sempre gargalhadas) e tenho a certeza que ainda será conseguir fazer vida de adulto e conduzir um carro na hora de ponta do supermercado com muito mais animação e criatividade do que os adultos conseguem.

Lembro-me do calor, da segurança e da liberdade. É Dia da Criança e lembro-me destas fotos comigo lá dentro.