Portugueses são os europeus que mais acreditam que Deus fala com eles todos os dias

Apesar de 94% dos portugueses afirmarem terem sido criados na fé cristã, uma grande percentagem (48%) afirma ser católico não-praticante.

,
Fotogaleria
Cerimónias do Corpo de Deus miguel manso
,
Fotogaleria
Santuário de Fátima Joaquim Dâmaso
Carro de cidade, Carro, Veículo de luxo, Carro compacto
Fotogaleria
Cerimónias do Corpo de Deus miguel manso
,
Fotogaleria
Santuário de Fátima nelson garrido

A maioria da população portuguesa (94%) foi criada na fé cristã e 83% chega à idade adulta com a mesma crença. Somos um dos países onde mais se baptizam as crianças: 95% dos portugueses dizem ser baptizados, uma das percentagens mais altas no contexto europeu – só Espanha nos bate, com 96% dos inquiridos a declararem ser baptizados. São os portugueses, no entanto, que mais acreditam que Deus fala com eles todos os dias. No total, 28% dos portugueses diz acreditar nisso. Os números são do Pew Research Center e desenham o retrato de uma Europa com crenças profundamente arreigadas na religião.

De Abril a Agosto de 2017, o Pew Research Center conduziu um inquérito por telefone, em 15 países europeus, sobre a religião. Ao todo, foram entrevistados 24 mil adultos, sendo que 1501 dessas entrevistas foram conduzidas em Portugal. O objectivo era perceber quantos europeus se consideram cristãos, quantos deles se consideram cristãos não praticantes e quantos não professam uma religião. Na mesma entrevista, procuravam saber de que forma os europeus do Este olhavam para questões como a imigração, outras religiões (como a muçulmana e a judia), aborto ou casamento entre casais do mesmo sexo.

Em termos europeus, a grande maioria (91%) afirmou estar baptizado mas não se descreve como cristão: “Alguns afirmam ter-se afastado gradualmente da religião, deixado de acreditar em ensinamentos religiosos, ou terem-se alienado por escândalos ou posições religiosas em questões sociais”, lê-se no estudo do Pew Research Center.

Uma grande fatia da população (46%) também se define como católico não praticante. Portugal é um exemplo paradigmático: 35% da população é católica praticante; 48% não praticante, o que quer dizer que vai à igreja apenas um par de vezes por ano. Apenas 15% afirma não ter religião e identificar-se como ateia, agnóstica ou “nada em particular” e 2% tem outra religião. A única excepção a este cenário, em termos europeus, é Itália: 40% dos italianos vão à igreja, 40% são não-praticantes, 15% não têm afiliação religiosa e 5% professam outra religião.

Maior escolaridade, maior tolerância

Os resultados do Pew Research Center indicam que a identidade cristã, na Europa, está associada a níveis elevados de sentimentos negativos em relação a imigrantes e minorias religiosas. Os cristãos praticantes entrevistados são também mais propensos a expressarem visões nacionalistas (72%) – crêem que a sua cultura é superior e que é importante ter família do seu país para se sentir um nacional.  

Não é o caso português. Em Portugal, apenas 35% dos cristãos praticantes disse acreditar que o Islão é “incompatível com a cultura e os valores do nosso país” tal como 26% dos cristãos não-praticantes e 25% dos não religiosos. Na Áustria, por contraste, 61% dos cristãos praticantes concordou com a afirmação, assim como 45% dos não praticantes e 35% dos não-crentes.

O Pew Research Center salvaguarda, no entanto, que estes resultados foram recolhidos em 2017, altura em que uma vaga de imigração oriunda de países de maioria muçulmana chegou à Europa. Os muçulmanos constituem, actualmente, 4,9% dos habitantes do "velho continente" e a percentagem tende a aumentar. Por outro lado, os investigadores do Pew Research Center identificaram uma correlação entre o nível de escolaridade e a aceitação de imigrantes e minorias religiosas: quanto mais a escolaridade, mais tolerantes. O facto de se conhecer (ou não) um muçulmano também alterava as percepções, perceberam os investigadores. 

Portugal, por seu turno, parece atribuir grande importância à identidade da família: 85% de cristãos praticantes acham que ter família portuguesa é muito importante para se ser mesmo português, assim como 82% dos cristãos não praticantes e 62% dos que não se identificam com nenhuma religião

A secularização do Estado

Em relação à separação entre o Estado e a religião, a maioria dos europeus (60%) acredita que a política deve estar separada da religião. Em Portugal, 20% dos não religiosos acreditam que as políticas governamentais devem basear-se nos valores religiosos do país. Já 52% dos cristãos que vão à missa acreditam no mesmo, assim como 38% dos cristãos não praticantes. A Finlândia coloca-se no extremo oposto ao de Portugal: apenas 2% dos não-crentes acreditam que não deve haver separação, assim como 38% dos católicos praticantes e 21% dos não praticantes.

Também é na Finlândia que crentes e não-crentes mais parecem concordar que a Igreja tem um papel importante na ajuda aos mais necessitados: 74% dos não crentes acredita nessa afirmação, como 93% dos crentes e 89% dos cristãos não-praticantes. Em Portugal, 53% dos não-crentes concorda, 64% dos cristãos não-praticantes e 78% dos cristãos praticantes dizem que sim.

A importância da relação com Deus

Portugal é um dos países europeus com uma percentagem mais alta de cidadãos criados na religião cristã – apenas 4% não foi criado na religião cristã.

Os portugueses são também os que mais acreditam, a nível europeu, que Deus comunica com eles todos os dias: pelo menos 28%. Pelo contrário, apenas 3% dos suíços e dos britânicos acreditam nisso. Já na Áustria, pelo menos 73% dos cristãos praticantes acreditam que Deus fala com eles, 34% dos não-praticantes acredita no mesmo assim como 1% dos que não professam religião.

A maioria dos portugueses que acredita em Deus (62%) acha também que os ajuda a distinguir o certo do errado. De todos os cidadãos europeus, são os portugueses que mais acreditam nessa afirmação. Os dinamarqueses, por seu turno são os que menos acreditam: apenas 41% diz que a religião os ajuda a distinguir acções correctas de acções erradas.