Juve Leo rejeita responsabilidade pela violência em Alcochete. Treino cancelado

Afirmando que a claque "tem mais de 7 mil sócios" e é a "mais antiga de Portugal", responsáveis da Juve Leo afirmam em comunicado que não podem "admitir os ataques" que lhes têm sido dirigidos, "porque aparece uma pessoa com camisola da claque".

PAULO PIMENTA / PUBLICO
Foto
PAULO PIMENTA / PUBLICO

A Juventude Leonina (Juve Leo) lamenta “profundamente” e diz não se rever nos ataques desta terça-feira aos jogadores na academia do Sporting, em Alcochete.

Afirmando que a claque "tem mais de sete mil sócios" e é a "mais antiga de Portugal", responsáveis da Juve Leo afirmam em comunicado que não podem "admitir os ataques" que lhes têm sido dirigidos "lá porque aparece uma pessoa com camisola da claque".

A Juve Leo afirma que “estará presente em grande força no Jamor”, neste domingo, onde o Sporting vai disputar com o Desportivo das Aves a Taça de Portugal.

Este comunicado, publicado durante a madrugada no Facebook daquela que é a maior claque do Sporting, surge numa altura em que vários jornais avançam que os autores dos ataques têm ligação a esta claque. Fontes policiais garantiram ao Record que os detidos pertencem à Juve Leo e têm “uma forte ligação ao antigo líder Fernando Mendes”.

O Diário de Notícias escreve, na edição desta quarta-feira, que os alegados agressores farão parte de um movimento de hooligans já conhecido da polícia, não tendo, no entanto, ligações às claques oficiais dos clubes. E adianta que Fernando Mendes, ex-líder da Juve Leo, terá sido um das pessoas identificadas como suspeito das agressões aos jogadores e treinadores do Sporting.

O PÚBLICO tentou obter esclarecimentos junto da GNR de Setúbal e do comando nacional, até agora sem sucesso.

Entretanto, o treino da equipa do Sporting previsto para esta quarta-feira foi cancelado, noticiam o Correio da Manhã e Jornal de Notícias.

Nesta terça-feira à tarde, um grupo de dezenas de adeptos com os rostos cobertos – alguns com símbolos das claques “leoninas” visíveis – entrou na Academia de Alcochete, atacando jogadores e equipa técnica e vandalizando o balneário.

A GNR identificou 40 dos atacantes, 21 dos quais foram detidos. A Procuradoria-Geral da República já está a investigar.