Movimentos querem reduzir lixo nas peregrinações a Fátima

Não Lixes e Lixo Zero juntaram-se para sensibilizar caminhantes e propor alternativas.

,
Foto
Enric Vives-Rubio

Os movimentos ambientalistas Não Lixes e Lixo Zero reunem este ano esforços para reduzir o lixo produzido pelos milhares de peregrinos que todos os anos se dirigem a pé para o Santuário de Fátima no dia 13 de Maio.

O objectivo da iniciativa é disponibilizar mais pontos de recolha de lixo no trajecto e evitar que objectos de plástico como garrafas vão para às bermas da estrada. O trabalho passa por “sensibilizar os nossos peregrinos a não deitar lixo para o chão”, sintetiza Fernando Jorge Paiva, do Não Lixes, ao PÚBLICO, à margem da apresentação da iniciativa que decorreu nesta quarta-feira.

O ambientalista conta que fez o percurso de Coimbra a Santa Luzia, Mealhada, a pé, no sentido inverso ao dos peregrinos, juntamente com Ana Milhazes Martins, do movimento Lixo Zero. Queriam trocar impressões e perceber melhor o problema. Muitas vezes, os caminhantes recebem garrafas de água de plástico nos pontos de apoio e acabam por as deitar fora mais à frente, constataram. “Alegam que estão muito cansados e que não há pontos de recolha de x em x metros”, refere, ressalvando no entanto que já há quem leve também cantis. 

Para já, a iniciativa conta apenas com o apoio dos municípios de Coimbra e da Mealhada, explica. Em 2017, quando teve lugar a primeira edição, o movimento contava apenas com o apoio da de Coimbra. Nos contentores à beira do IC2, bem como em algumas vias paralelas, são afixados cartazes de sensibilização dos peregrinos nestes concelhos. O mesmo acontece nos pontos de apoio. Ana Milhazes Martins acrescenta que os movimentos não contam com orçamento para esta campanha, saindo o esforço de impressão dos cartazes do próprio bolso, havendo situações em que o município contribui. 

Em Coimbra, a autarquia colocou 30 contentores a mais, avança Fernando Jorge Paixa, sendo que os movimentos cívicos contactaram igualmente outros municípios cujas estradas são utilizadas nos trajectos para Fátima a pé, mas ainda não obtiveram mais respostas. Entraram também em contacto com o Santuário de Fátima, que autorizou a utilização do seu logótipo nos cartazes de sensibilização. <_o3a_p>