CP reduz oferta de comboios turísticos neste Verão

Comboio histórico do Douro ainda não tem horário, Miradouro fica-se pela Régua e terá este ano menos 44 quilómetros de percurso ao longo do rio que lhe dá o nome. E ainda não se sabe se haverá Vouguinha.

Fotogaleria
Viagem inaugural do Vouguinha em Julho de 2017 Adriano Miranda
Fotogaleria
Comboio Miradouro terá este ano menos 44 quilómetros de percurso Adriano Miranda
Fotogaleria
Comboio a vapor (Douro) Rui farinha/NFactos
Fotogaleria
Comboio a vapor (Douro) Rui farinha/NFactos

E ao segundo ano o entusiasmo arrefeceu. Depois de um Verão de 2017 em que o êxito dos comboios turísticos surpreendeu a própria CP, em 2018 o cenário é mais pobre: o Vouguinha pode não se realizar, o Miradouro terá um percurso mais curto e menos interessante e só o comboio a vapor do Douro se realiza, mas a poucas semanas de Junho ainda não há calendarização.

A CP diz que a greve do pessoal da sua empresa de manutenção (EMEF) “acentuou a falta de capacidade de resposta daquela empresa, nomeadamente na oficina de Contumil [Porto], responsável pela manutenção dos comboios históricos e sazonais, que se debate com insuficiência de capacidade ao nível da mão de obra disponível”. É por essa razão que não foi reparada a locomotiva do Vouguinha, o comboio histórico que se estreou no ano passado entre Aveiro e Macinhata do Vouga e que teve tanto sucesso que a sua taxa de ocupação foi de 100%.

A alternativa à máquina a diesel (agora avariada) que o reboca, seria uma locomotiva a vapor de via estreita que supostamente está em estado operacional nas oficinas de Sernada do Vouga (Águeda), mas como não tem sido utilizada, precisa também de uma revisão geral para a qual não há capacidade de resposta. E há um problema acrescido: o estigma dos incêndios cerceia quaisquer vontades de pôr a circular nos carris, numa zona de forte vegetação, uma máquina movida a carvão e a deitar faúlhas.

Apesar destes condicionalismos, “a CP procurará concretizar a realização do comboio de via estreita do Vouga”, disse ao PÚBLICO fonte oficial da empresa.

Já o Miradouro, um comboio com carruagens quase panorâmicas e janelas que se podem abrir, que permite contemplar a paisagem do Douro sem os condicionalismos das composições com ar condicionado, deixa este ano de ir ao Tua e fica-se pela Régua. O seu percurso fica assim reduzido em 44 quilómetros quando, para muitos, a expectativa era que este comboio fizesse este Verão a totalidade da linha e fosse até ao Pocinho, ao coração do Douro Património Mundial da UNESCO.

A CP diz que os seus clientes queixavam-se de chegar à estação do Tua e ali não haver nada para fazer durante as quatro horas em que o Miradouro ali ficava estacionado. No ano passado, diz a empresa, “realizaram-se 186 comboios Miradouro que transportaram 22.400 passageiros, com uma média de ocupação de 120 passageiros/comboio. Destes cerca de 75% chegavam à estação do Tua, mas apenas 30% regressavam no Miradouro”, optando os restantes por regressar noutros comboios regulares.

O comboio dos Presidentes da República

A consequência desta decisão é que o Miradouro terá muito pouco de Douro. Do Porto à Régua são 106 quilómetros, mas só durante os últimos 36 é que a linha acompanha o rio. De fora ficam mais 65 quilómetros de percurso até ao Pocinho com as paisagens mais espectaculares do vale do Douro.

Para 2018 só a oferta do comboios a vapor do Douro se mantém igual. A CP vai repetir o serviço deste comboio histórico entre Régua e Tua, mas ainda não disponibilizou informação sobre o mesmo.

No panorama da oferta ferroviária turística, The Presidential, um projecto privado em parceria com o Museu Nacional Ferroviário, mantém-se nos carris.

O comboio dos Presidentes da República já circulou no mês de Maio e regressa ao Douro em Outubro em viagens entre S. Bento e a Quinta do Vesúvio. Destinado a um segmento de mercado alto (as viagens custam 500 euros por pessoa) este produto ganhou no ano passado o galardão de Melhor Evento Público Mundial.

O PÚBLICO contactou a empresa Douro Azul para saber quando inicia a exploração do comboio turístico Tua Express entre Brunheda e Mirandela — o qual já tem horários e preços na Internet. A empresa informou em resposta por escrito que "ainda não há data prevista de inauguração".