Há um falso “frade” venenoso que anda a enganar os amantes de cogumelos

Foi descoberta recentemente uma espécie de cogumelo silvestre tóxico que é muito parecido com aquele que é conhecido como “frade” e que muitos consomem sem olhar duas vezes.

Macrilepiota venenata
Fotogaleria
Macrilepiota venenata
Macrilepiota venenata
Fotogaleria
Macrilepiota venenata
Macrolepiota procera
Fotogaleria
Macrolepiota procera
Macrolepiota procera
Fotogaleria
Macrolepiota procera
Amanita phalloides
Fotogaleria
Amanita phalloides
Amanita phalloides
Fotogaleria
Amanita phalloides

O alerta surge através dos serviços regionais do Ministério da Agricultura: Foi identificada uma espécie de cogumelo silvestre, a Macrolepiota venenata, responsável pela maioria das intoxicações alimentares que ocorrem no Outono e também na Primavera com a ingestão deste tipo de produto silvestre. José Luís Gravito Henriques, especialista em micologia e autor de diversos artigos e publicações sobre cogumelos, registou vários relatos de casos de intoxicação, “alguns dos quais mortais”, porque as pessoas que apanhavam a espécie tóxica julgavam estar a levar para casa a Macrolepiota procera — conhecida como “frade” — e que é comestível.

O consumo de cogumelos em várias regiões do país restringe-se, muitas vezes, à Macrolepiota procera. Os seus apanhadores baseiam-se no princípio de que “é fácil a sua identificação, em particular pelas características do chapéu e pela existência de um anel”. Contudo, salienta Gravito Henriques, trata-se de uma atitude “precipitada”. Sabe-se agora que recolhiam uma espécie, a Macrolepiota venenata, que tem várias semelhanças com a que consideravam inócua, e as consequências têm-se revelado por vezes dramáticas pois só recentemente foi identificada e ainda está pouco estudada, para além da informação produzida ser escassa e pouco divulgada.

As intoxicações foram atribuídas, durante algum tempo, à Amanita phalloides, espécie igualmente venenosa e com semelhanças à Macrolepiota procera, mas os exemplares recolhidos e os “testemunhos directos ou por terceira pessoa vieram confirmar que nunca se tratou de Amanita phalloides”, observa o especialista em cogumelos. Ou seja, as pessoas julgavam ter apanhado cogumelos da espécie Macrolepiota procera até que começaram a aparecer intoxicações e a culpa foi logo atribuída à Amanita phalloides quando, afinal, a culpada era outra. O problema é distinguir entre as duas espécies venenoras e a comestível já que as três espécies têm várias características em comum.

O cogumelo Macrolepiota procera, vulgarmente conhecido, entre outros nomes, por “frade” (a designação mais frequente), “gasalho”, “roque”, “marifusa”, “o da calcinha”, “púcara”, “roca”, “tortulho”, “é o cogumelo silvestre comestível mais consumido em Portugal e está presente na dieta alimentar de uma grande parte da população rural”, assinala Gravito Henriques.

Falso e dissimulado

Mas pelos montes fora existe, sabe-se agora, um inimigo que tem passado incógnito e dissimulado. Este falso “frade” é, afinal, o principal responsável pelas intoxicações de Outono e até na Primavera com a ingestão de cogumelos silvestres. O especialista micológico chama a atenção para uma prática recorrente que se tem revelado perigosa: a manutenção do uso do alho e de objectos em prata como método vulgar de confirmação da comestibilidade dos cogumelos. Esta é uma tradição errónea sem qualquer fundamento e que “tem conduzido à ingestão de Macrolepiota venenata e provocado intoxicações que foram do simples mau estar à morte por falta de assistência atempada”.    

Numa altura em que cresce a pressão da colheita e se nota um aumento das populações de Macrolepiota venenata, o especialista considera crucial e dar a conhecer as diferenças entre as espécies e os seus riscos de forma a “evitar intoxicações que de forma sistemática continuam a ocorrer todos os anos, afectando particularmente crianças e idosos”.

Assim, o cogumelo Macrolepiota venenata tem uma forma atarracada, o chapéu pode apresentar dimensões semelhantes ao frade mas o pé é mais pequeno) e, embora inicialmente globoso, não tem mamilo central. A cutícula rompe-se mais radialmente e as escamas são maiores e menos uniformes, as lâminas avermelham ao toque, o pé é liso e o bolbo do pé é marginado. Além disso, o anel não é móvel, é mais simples e central, e, em jovem, toda a carne avermelha ao corte.

O Macrolepiota procera tem um chapéu ovoide achatado, cutícula acinzentada, seca e rachada em escamas grossas e castanhas, dispostas em círculos concêntricos, de separação fácil entre chapéu e o pé. As folhas brancas, largas, muito apertadas, com células lamelares deixam espaço ao redor do pé. Tem haste recta, oca e fibrosa, bulbosa na base e coberta de flocos castanhos. Há um anel duplo na parte superior, que se move sem deixar rastro e é de cor escura. Carne elástica branca, quando cortada, levemente torrada com tons de cor-de-rosa.  

Gravito Henriques chama a atenção para outro aspecto importante e que deve ser alterado: Mesmo nas espécies comestíveis, como a Macrolepiota procera, “depois de permanecerem vários dias em sacos de plástico, em período de tempo quente, poderá desencadear o desenvolvimento de substâncias tóxicas e pode traduzir-se na ocorrência de intoxicações alimentares ligeiras (indisposição e diarreia) e críticas (com vómitos e falência da função renal)”, conclui o especialista.