Academia Sueca pondera não atribuir Nobel da Literatura

Anders Olsson, o novo secretário permanente, admitiu que o cenário está em cima da mesa, e vários membros da instituição pensam que seria a melhor solução para sarar as feridas abertas pelo escândalo de alegados abusos sexuais e fugas de informação.

Sara Danius renunciou ao cargo de secretária permanente da Academia Sueca
Foto
Sara Danius renunciou ao cargo de secretária permanente da Academia Sueca Reuters

Pela primeira vez desde a II Guerra, o Prémio Nobel da Literatura pode não ser atribuído. Abalada pelas acusações de assédio sexual e fugas de informação contra o marido de uma escritora que até há pouco integrava a Academia Sueca, a instituição está a estudar a possibilidade de não atribuir o prémio em 2018, reconheceu o presidente da Fundação Nobel, Carl-Henrik Heldin, a um canal público de televisão sueco.

Depois da demissão de vários membros da Academia Sueca e da renúncia ao cargo da sua secretária permanente, Sara Danius, substituída por Anders Olsson, a hipótese de que se venha a suspender por um ano a atribuição do Nobel da Literatura é mais uma possível consequência do recente escândalo que abalou a instituição quando o dramaturgo francês Jean-Claude Arnault, marido de uma autora sueca que integrava a Academia, Katarina Frostenson, foi acusado de ter assediado sexualmente 18 mulheres e de, ao longo dos anos, ter divulgado antecipadamente os nomes de vários escritores que viriam a receber o Nobel.

A notícia foi avançada nesta quarta-feira pelo jornal espanhol El País, que cita ainda a rádio pública sueca SR (Sverige Radio), segundo a qual “várias pessoas” que integram o Comité do Nobel da Academia Sueca consideram que o prémio não deveria ser concedido este ano, o que “serviria para recuperar a confiança e sarar as feridas”.

O novo secretário permanente, Anders Olsson, sem negar que o cenário está a ser estudado, afirmou: “Estamos a meio de uma discussão e não vou dizer nada, mas esse ponto será esclarecido em breve”. No entanto, outro membro da Academia Sueca, Per Wästberg, previu, em declarações à televisão, que dificilmente haverá uma decisão definitiva nas próximas duas semanas.

Segundo o El País, uma das propostas em discussão, que teria sido designadamente defendida por Peter Englund, ex-secretário permanente e um dos membros que se demitiram na sequência deste escândalo, seria a de atribuir para o ano, e em simultâneo, os prémios Nobel da Literatura de 2018 e 2019.

Mas há também quem defenda, no interior do Comité do Nobel, que seria um erro adiar o prémio. O historiador da literatura, tradutor e linguista Göran Malmqvist admitiu à imprensa sueca que a hipótese foi colocada, mas deu-a como já ultrapassada e considerou que seria “horrível” se viesse a concretizar-se.

Desde a sua criação, em 1901, o Nobel da Literatura não foi atribuído sete vezes: em 1914, 1918 e 1935, e ainda de 1940 a 1943. Se os dois primeiros casos e os quatro últimos se ficaram a dever às duas guerras mundiais, a excepção de 1935 tem motivações menos óbvias. Divergências políticas no interior da Academia, num período de grandes confrontações ideológicas, é um dos motivos que tem sido aventado, mas também a alegada mediocridade dos candidatos desse ano.

Na verdade, mesmo a ideia agora defendida por Peter Englund tem alguns precedentes, já que a Academia Sueca também começou por não atribuir o prémio em 1936, mas deu-o retroactivamente ao dramaturgo americano Eugene O’Neill, que o recebeu de facto no mesmo ano em que foi atribuído ao escritor francês Roger Martind du Gard o Nobel da Literatura de 1937.