PSD vota contra moção que o próprio PSD apresentou

Texto irónico de saudação a Fernando Medina pelo "cumprimento de compromissos pré-eleitorais" era uma "manifestação política", disse o social-democrata Luís Newton. Mas Helena Roseta teve dúvidas se o documento devia ser votado.

Foto
RUI GAUDENCIO- PUBLICO

Os deputados do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa votaram contra uma moção que eles próprios tinham apresentado. Provavelmente pela primeira vez na história deste órgão autárquico, o documento teve zero votos a favor.

Trata-se de uma moção com título e conteúdos irónicos. “Saudar Medina e a conclusão das obras dos seus novos centros de saúde em Lisboa”, assim se chama o documento, onde se lê que o presidente da câmara anunciou, no ano passado, a construção de 14 novos centros de saúde na cidade até 2020. “O PSD veio na altura criticar o que aparentava ser um anúncio eleitoralista”, diz a moção, para logo de seguida usar da ironia: “Passado mais de um ano, não podemos deixar de salientar que, não obstante nada ter sido anunciado publicamente, as promessas estarão, certamente, em avançado estado de realização, com várias obras que terão arrancado logo a seguir às eleições autárquicas.”

Sempre no mesmo registo, os sociais-democratas propõem “saudar o cumprimento dos compromissos pré-eleitorais de Medina” e “comunicar ao ministro Adalberto Campos Fernandes que, quando visita em Lisboa as obras em estado avançado dos vários centros de saúde que anunciou, não se deve recatar e deve mesmo convocar a comunicação social e esta assembleia para o acompanhar”.

Mal pôs o documento à votação, a presidente da assembleia notou algo de estranho. “Peço desculpa, mas a moção não é do PSD? E estão a votar contra?”, inquiriu Helena Roseta. “Senhores deputados, eu sinceramente não acho que isto seja razoável. A mesa propõe à assembleia que se retire a moção. Um partido apresenta uma coisa e depois vota contra aquilo que apresentou?”, disse, incrédula.

Luís Newton, líder da bancada do PSD, não se conformou. “Nós estamos aqui a fazer uma manifestação política. Onde é que a mesa ou o plenário têm o direito de retirar a possibilidade a um partido de se pronunciar politicamente sobre uma matéria? Eu desconheço, se calhar é falha minha. Em vésperas de 25 de Abril, isto parece-me muito estranho”, afirmou.

“Se não há ninguém a sustentar esta proposta, porque é que a gente a vai pôr à votação?”, respondeu Roseta.

Rui Costa, do Bloco de Esquerda, interveio logo a seguir, em defesa da votação da moção. “Tem de ficar registado em acta este momento no mínimo hilário. Permita-me, senhora presidente, que lhe cite um deputado brasileiro, o deputado Tiririca: ‘Votemos isto porque pior do que está, não fica’.”

Antes de dar a palavra a Modesto Navarro, do PCP, a presidente da assembleia ainda soltou um “isto não é uma palhaçada”. Depois, o deputado comunista disse que o que se estava a passar era “uma das raras vezes que uma força política ofende a dignidade e a democracia desta assembleia”.

“Fico entusiasmado com a reacção que isto merece à esquerda”, replicou Luís Newton. “Nós temos todo o direito de apresentar uma moção, sejam quais forem os termos em que ela seja apresentada, desde que ela não represente em momento algum uma ofensa a ninguém”, defendeu. “O que está a acontecer à esquerda desta assembleia, em vésperas de 25 de Abril, é que estão a querer evitar uma votação porque há uma consequência política”, acusou. “A forma em que a manifestação política se apresenta é que é diferente daquilo a que os senhores deputados estão habituados.”

Helena Roseta lá acabou por permitir a votação do documento, que teve zero votos a favor e a abstenção dos deputados do CDS, do MPT e do PPM. Por fim, a presidente da assembleia anunciou que vai levar o tema a uma conferência de representantes, para que se decida se um partido pode propor algo e depois votar contra.