Crónica de jogo

Como custou ao Benfica segurar a liderança

Um golo de penálti e já no período de compensação evitou que os “encarnados” ficassem com o primeiro lugar do campeonato em risco. Vitória de Setúbal foi mais perigoso em boa parte do jogo

Foto
Jiménez marcou os dois golos do Benfica no Bonfim LUSA/MIGUEL A. LOPES

Uma semana depois de assumir a liderança da I Liga, o Benfica esteve muito perto de deixar o primeiro lugar à mercê do FC Porto. No Bonfim, frente ao Vitória de Setúbal, os “encarnados” estiveram em risco de perder pontos até ao minuto 90. Até que um penálti, já no período de compensação, permitiu que os campeões nacionais conseguissem a reviravolta no marcador, vencendo por 2-1. Assim, no próximo domingo, o Benfica jogará contra o FC Porto, na Luz, isolado no topo da classificação.

A partida começou mal para os benfiquistas. Ainda antes do apito inicial, Rui Vitória recebeu uma má notícia. Jonas, o goleador da equipa e do campeonato, sentiu dores nas costas e acabou sentado na bancada. Mas as coisas iriam ainda piorar para o técnico “encarnado”. Pouco depois do apito inicial, o V. Setúbal inaugurou o marcador, num belo lance de futebol, com Costinha a concluir ao segundo poste um cruzamento bem medido de Nuno Pinto.

Com Fejsa e Jardel em risco de falharem o clássico da próxima semana por acumulação de amarelos, o Benfica foi brando na recuperação da bola e só com dificuldade conseguia chegar à área adversária. O Vitória “encheu” a zona mais central do relvado e a única forma que os “encarnados” incomodavam o guarda-redes Cristiano era através de uns quantos cruzamentos.

Só aos 26’ Jardel criou a primeira verdadeira ocasião de perigo para as “águias”, obrigando o guarda-redes vitoriano a aplicar-se. E Cervi, logo a seguir, quase desviou para o interior da baliza sadina um cruzamento de Zivkovic. Avisos para o que sucederia instantes depois, com Jiménez a dar o bom seguimento à assistência de Rafa.

O Benfica conseguia voltar a empatar o resultado, mas não jogava bem, muito por culpa de um Vitória que não perdia em casa há oito jornadas. E o segundo tempo não trouxe melhoras às “águias”. Pelo contrário. Nos segundos 45 minutos foi mesmo o V. Setúbal a equipa mais perigosa. Edinho, à entrada da pequena área, falhou de forma escandalosa; André Pereira rematou ligeiramente ao lado da baliza de Varela e Wallyson atirou por cima da barra quando estava em boa posição.

Rui Vitória forçou então o ataque. Lançou Seferovic (inconsequente) e Salvio e foi o argentino que, no jogo que marcou o seu regresso após paragem por lesão, foi decisivo para a reviravolta. Depois de ter desperdiçado uma boa ocasião de golo, rematando por cima, “arrancou” um penálti nos descontos que Jiménez não desperdiçou.