Carros mal estacionados continuam a empatar os passageiros da Carris

Registaram-se 117 interrupções de carreiras em Janeiro por causa de veículos mal parados. O valor é bastante inferior face ao que se registava na viragem do século, mas a Carris quer reduzi-lo ainda mais com a ajuda da EMEL e da polícia.

Foto
Sandra Ribeiro

Ao princípio da tarde do dia 27 de Janeiro, sábado, um autocarro da carreira 712 estava a descer a Rua da Senhora da Glória, a caminho de Santa Apolónia, quando deu de caras com um carro mal estacionado. A rua não é muito larga e só tem um sentido, por isso o motorista não conseguiu ultrapassar aquele obstáculo. O autocarro esteve parado uma hora e meia até que o automóvel fosse retirado. Na semana anterior, um eléctrico 12 estivera 65 minutos retido no Largo do Terreirinho. Logo no primeiro dia do ano, a fava calhou aos passageiros do 726, que esteve imobilizado 71 minutos na Praça das Novas Nações. E, no mesmo dia, o eléctrico 15 parou meia hora no Largo da Princesa.

Em Janeiro, os motoristas e guarda-freios da Carris reportaram 117 interrupções de serviço devido a carros mal estacionados ou em segunda fila. Ficou afectada a circulação normal de 130 veículos e perderam-se 73 horas, revela um relatório da empresa a que o PÚBLICO teve acesso.

A situação já foi muito pior: em Janeiro de 2001 registaram-se 263 ocorrências e 200 horas perdidas. Desde aí ambos os indicadores tiveram uma grande descida, passando a oscilar entre as 100 e as 150 ocorrências e as 90 e 100 horas perdidas. Os valores de Janeiro de 2018 são os melhores desde 2015, quando motoristas e guarda-freios se depararam 113 vezes com carros mal estacionados. Recentemente, a Carris passou a ter equipas mistas com a Polícia Municipal e a Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) para detectar e resolver maus estacionamentos antes de o serviço de transportes públicos ser afectado.

PÚBLICO -
Aumentar

Ainda assim, segundo o relatório, a maioria das situações (53) só se resolveu quando os carros foram rebocados pela polícia, o que em média fez perder 46 minutos. Os condutores dos automóveis mal parados apareceram voluntariamente em 44 situações, em média ao fim de 21 minutos. E houve 19 condutores que só assomaram quando a polícia os chamou, geralmente levando a paragens de meia hora.

Os eléctricos, sem surpresa, foram os veículos mais afectados, representando 64% das ocorrências. Todas as carreiras tiveram interrupções: o 28 esteve parado mais de 18 horas; o 25 registou 9,8 horas perdidas; o 18 teve 8,2 horas com perturbações; o 15 teve 7,1; a carreira 12 perdeu 3,4 horas.

PÚBLICO -
Aumentar

Também houve 17 carreiras de autocarros com problemas. Houve nove autocarros 726 que ficaram parados, originando uma perda de tempo superior a cinco horas. Os sete veículos imobilizados da carreira 712 levaram a um prejuízo de horas semelhante. As restantes carreiras que tiveram perdas de tempo superiores a uma hora foram a 735 (Cais do Sodré – Hospital Santa Maria), a 728 (Restelo – Portela), a 797 (circular de Sapadores), a 783 (Amoreiras – Prior Velho) e a 718 (Alameda – ISEL).

O local mais problemático foi a Rua de São Paulo, entre o Corpo Santo e a Boavista, por onde passam os eléctricos 25 e, por vezes, os 28. Ali empancaram 13 veículos, que perderam sete horas e meia de serviço. Na Rua dos Fanqueiros, percorrida pelos eléctricos 15 e 25, houve nove ocorrências e seis horas e meia perdidas.

PÚBLICO -
Aumentar

As ruas mais problemáticas situam-se quase todas no centro histórico, onde são mais estreitas e congestionadas. As excepções são a Praça David Leandro da Silva (Poço do Bispo), na qual pararam sete autocarros e se perderam três horas, a Praça das Novas Nações (Anjos), com seis veículos afectados e quatro horas gastas, e a Alameda da Encarnação, onde houve cinco autocarros parados e duas horas perdidas. O Largo do Conde Barão foi o sítio com menos problemas: só um veículo foi afectado e seguiu viagem ao fim de sete minutos.

Em 2017, os eléctricos da Carris ficaram parados 621 horas por causa de carros mal estacionados. A empresa recebeu perto de 75 mil euros em indemnizações dos condutores.