Ex-ministro da Agricultura Arlindo Cunha alerta para situação "gravíssima" do interior

“Portugal não tem uma estratégia territorial", acrescentou Silva Peneda, numa iniciativa solidária em Castanheira de Pêra.

“Portugal não tem uma estratégia territorial. Os três grandes problemas de Portugal são a dívida, a demografia e as desigualdades”, considerou Silva Peneda.
Foto
“Portugal não tem uma estratégia territorial. Os três grandes problemas de Portugal são a dívida, a demografia e as desigualdades”, considerou Silva Peneda. Enric Vives Rubio

O antigo ministro da Agricultura Arlindo Cunha considerou neste sábado, em Castanheira de Pêra, que o interior do país está numa situação “gravíssima”, decorrente dos desequilíbrios demográficos e da desertificação.

“A problemática do interior é uma situação gravíssima que Portugal tem para resolver. A situação é, de facto, assustadora. Temos uma situação muito grave em termos de disparidade do território”, afirmou, ao participar numa iniciativa solidária promovida pela Confagri — UGT sob o tema “Valorizar o interior — Promover o Investimento e o Emprego”.

Segundo Arlindo Cunha, entre os problemas que afectam o interior, destacam-se a disparidade de rendimento e de oportunidades [face ao litoral], “uma catástrofe demográfica anunciada”, a desertificação dos territórios e a “morte do património rural”.
“Quando os territórios não têm peso nem economia, as debilidades vêm ao de cima”, frisou.

Para o antigo ministro, os vários governos foram reduzindo também os serviços públicos nas regiões do interior. “O Estado foi desaparecendo. Se o Estado não serve para a coesão para que é que serve?”

O ex-governante defendeu, neste contexto, para os territórios do interior e para as áreas ardidas, políticas de discriminação positiva.

Por seu turno, o ex-presidente do Conselho Económico e Social (CES), Silva Peneda, defendeu a necessidade de se pensar nas políticas a aplicar e da escolha de opções para o desenvolvimento territorial.

“Portugal não tem uma estratégia territorial. Os três grandes problemas de Portugal são a dívida, a demografia e as desigualdades”, considerou Silva Peneda.

Para resolver estes problemas, sublinhou, do interior é necessário haver um amplo consenso político.