Balkrishna Doshi

O Prémio Pritzker chegou finalmente à arquitectura indiana

Balkrishna Doshi, premiado após uma carreira de mais de 70 anos, tem Le Corbusier como guru. O Pritzker distinguiu a sua arquitectura poética, reconhecendo finalmente a especificidade de um subcontinente.

Fotogaleria
o arquitecto indiano Balkrishna Doshi The Pritzker Architecture Prize/VSF
Fotogaleria
Sangath Studio (1979-80), o atelier de Doshi em Ahmedabad Nicholas Iyadurai
Fotogaleria
Amdavad ni Gufa, galeria de arte em Ahmedabad (1990) Cortesia: Vastu Shilpa Foundation
Fotogaleria
Amdavad ni Gufa, galeria de arte em Ahmedabad (1990) Laurian Ghinitoiu
Fotogaleria
Biblioteca do Instituto Indiano de Gestão, Bangalore (1962-74) Sanyam Bahga/Wikimedia
Fotogaleria
Instituto Indiano de Gestão, Bangalore (1962-74) Sanyam Bahga/Wikimedia
Fotogaleria
Life Insurance Corportation Housing Cortesia: Vastu Shilpa Foundation
Fotogaleria
Aranya Community Housing, Indore Cortesia: Vastu Shilpa Foundation
Fotogaleria
LD Institute of Indology, um dos primeiros edifícios públicos que desenhou como arquitecto independente Deepshikha Jain
Fotogaleria
Centre for Environment and Planning Technology, Ahmedabad (1972) Laurian Ghinitoiu
Fotogaleria
Centre for Environment and Planning Technology, Ahmedabad (1972) Laurian Ghinitoiu
Fotogaleria
O arquitecto indiano Balkrishna Doshi Cortesia: Vastu Shilpa Foundation
Fotogaleria
Sangath, o atelier do arquitecto Cortesia: Vastu Shilpa Foundation
Fotogaleria
Maquete de Sangath, o atelier do arquitecto Cortesia: Vastu Shilpa Foundation

A cidade de Chandigarh é um dos locais de peregrinação para os arquitectos de todo o mundo que visitam a Índia. Balkrishna Doshi, o arquitecto indiano que aos 90 anos foi distinguido com o Prémio Pritzker de Arquitectura, ajudou um dos mestres da arquitectura moderna do século XX, Le Corbusier (1887- 1965), a construí-la.

Doshi, que considera o arquitecto franco-suíço Le Corbusier o seu guru, acabou por se tornar responsável pela execução das suas obras na Índia. É em Ahmedabad, onde Le Corbuiser também ergueu vários edifícios, que o arquitecto indiano vai acabar por abrir o seu atelier nos anos 50. E é nestas duas cidades indianas que  é hoje possível ver a arquitectura do mestre suíço a tornar-se mais tropical e plástica, tal como aconteceu com aquilo que Le Corbusier desenhou para o Brasil.

A arquitectura poética de Doshi, que é o primeiro indiano a receber o Pritzker, faz a ponte entre a arquitectura ocidental e a arquitectura vernacular do subcontinente indiano, sendo apontado como um dos exemplos do regionalismo crítico teorizado pelo britânico Kenneth Frampton nos anos 80. Tal como Álvaro Siza, também já distinguido com o prémio, Frampton usa-os para demonstrar como a arquitectura moderna foi apropriada pelas periferias, por diversas culturas e climas, numa evolução que a põe a dialogar com os sítios de vários continentes e que é uma espécie de segunda via do estilo internacional.

A história de Balkrishna Doshi confunde-se com a história da Índia: começou a estudar arquitectura em 1947, o ano em que o país ganhou a independência do Reino Unido. Poucos anos depois, estava em Paris no atelier de Le Corbusier a ajudar a construir de raiz a nova capital do Punjabe, a moderna Chandigarh, uma vez que Lahore tinha ficado com a separação da Índia do lado do Paquistão.

Passou quase doze anos a trabalhar com Le Corbusier e tinham grandes conversas, contou numa entrevista recente à revista Wired. “Ele estudava as pessoas e os estilos de vida e criou edifícios brilhantes que eram abertos e quase vazios. E ele disse-me que a porosidade e os usos múltiplos são muito importantes e que devemos ser capazes de sentir a brisa a passar pelo edifício. […] Le Corbusier encontrou a plasticidade do betão e o betão bruto aqui na Índia”, defende Balkrishna Doshi, que regressou à Índia em 1954 para supervisionar projectos como o Edifício da Associação Mill Owner e a Casa Shofhan, em Ahmedabad, entre outros.

Depois de Le Corbusier, foi a vez de ser o homem na Índia de Louis Kahn (1901-1974), o arquitecto norte-americano com quem trabalha a partir de 1962, nomeadamente na construção do Instituto Indiano de Gestão. “Kahn estava também muito interessado na ventilação e na luz, mas de uma maneira diferente de Corbusier. Ele procurava a ordem, enquanto Corbusier procurava a excepção”, diz na mesma entrevista. Kahn, aponta Doshi, fala sobre o silêncio de uma sala como ninguém.

Entretanto, logo em 1956, Doshi já tinha aberto o seu próprio atelier, mas é em 1980 que ergue um espaço de trabalho a que chama Sangath, que se pode traduzir por “mover-se em conjunto”. Até 1974, data da morte de Kahn, tinha colaborado com o arquitecto americano.

O júri do Prémio Pritzker escreve que Balkrishna Doshi "criou uma arquitectura que é séria, nunca espalhafatosa, nem seguidora de tendências".  E continua: “Doshi está profundamente consciente do contexto em que os seus edifícios estão localizados. As suas soluções têm em conta as dimensões social, ambiental e económica e por isso a sua arquitectura está totalmente empenhada com a sustentabilidade.”

O arquitecto desenhou o Bairro de Habitação de Baixo Custo de Aranya (Indore, 1989), que deu um novo lar a 80 mil pessoas, num sistema de casas que cruza pátios num labirinto de caminhos, sublinhando a importância dos espaços de transição e fluidos na arquitectura indiana. O projecto, que ganhou em 1995 o Prémio Aga Khan da Arquitectura, é também muito flexível, uma capacidade de adaptação que Doshi procura explorar na habitação e que aprendeu com a arquitectura tradicional. Além disso, sublinha, as famílias devem poder acrescentar e transformar os espaços que habitam, uma liberdade que a arquitectura deve contemplar. 

Premiado após uma carreira de mais de 70 anos, o arquitecto sublinha que os ensinamentos de Le Corbusier o levaram a questionar a sua identidade e a descobrir “uma expressão contemporânea nova adaptada regionalmente para um habitat holisticamente sustentável”, cita o comunicado do Pritzker. “Todos os objectos à nossa volta, e a própria natureza – luzes, céu, água ou uma tempestade -, tudo está em sinfonia”, afirma ainda o indiano. O júri não deixa de elogiar a importância do vernacular: "Com uma compreensão e apreciação das profundas tradições da arquitectura da Índia, uniu a pré-fabricação e a artesania local e desenvolveu um vocabulário em harmonia com a história, cultura, tradições locais e a mudança dos tempos do seu país natal, a Índia."

O arquitecto italiano Alessandro Pepe, que tem um atelier no Porto e trabalhou por um curto período com Doshi, defende que na sua prática o arquitecto indiano “desligou-se do pragmatismo europeu para procurar um desenvolvimento espiritual na criação do espaço”. O uso da luz e das formas, que aprendeu com Le Corbusier, “é explorado para obter um resultado mais emocional”, atingindo uma dimensão mística e, eventualmente, religiosa. “O Sangath onde Doshi desenvolve o seu trabalho é um edifício de formas curvas em diálogo com os triângulos da planta. A planta do edifício, que é muito conhecida, lembra um templo indiano antigo.”

O Pritzker, equiparado ao Prémio Nobel no campo da arquitectura, é um prémio pecuniário - 100 mil dólares - e uma medalha de bronze, mas sobretudo inscreve o nome dos seus laureados no panteão da disciplina. Além de Siza, o prémio, atribuído desde 1979, distinguiu já também o português Eduardo Souto Moura, bem como os arquitectos Peter Zumthor, Zaha Hadid, Oscar Niemeyer, Norman Foster, Rem Koolhaas ou Frank Gehry. 

Em entrevista à CNN, Doshi disse esta quarta-feira que "é muito, muito significativo que este prémio tenha vindo para a Índia - é claro, importante para mim, mas sobretudo para a Índia. "O governo, os responsáveis, aqueles que tomam decisões, as cidades  - toda a gente começará a pensar que há uma coisa chamada 'boa arquitectura' e que podem acontecer coisas duradoras."