Cientistas portugueses de regresso à Antárctida, desta vez com muita psicologia

Para quem está em Portugal, o continente branco está assim tão distante que a sua influência não chega cá? Nem por isso, e o coordenador do Programa Polar Português explica porquê.

Ilha do rei Jorge, no arquipélago das Shetlands do Sul
Foto
Ilha do rei Jorge, no arquipélago das Shetlands do Sul Nuno Ferreira Santos

A presença de investigadores portugueses na Antárctida já é habitual. Este ano não é excepção, pelo que a nova campanha já em curso procura dar continuidade a vários desses projectos. Desta vez, até Março, durante o Verão antárctico, o destino são as ilhas do Rei Jorge e de Livingston (no arquipélago das Shetlands do Sul) e a Baía Cierva (na costa de Danco, na Península Antárctica). No terreno vão estar 14 cientistas (dez portugueses, três espanhóis e um norte-americano) de seis projectos de investigação. Como questão incontornável, está o clima e o que se encontra à volta das suas mudanças que afectam todo o planeta – mas a psicologia também não ficou de fora, para ajudar a desvendar as subtilezas do trabalho em equipa numa região como a Antárctida.

Nesta campanha, é a sétima vez que Portugal contribui para a logística científica na Antárctida, fretando para tal um avião, que transportou na última quarta-feira 101 cientistas (dos programas antárcticos búlgaro, chinês, espanhol e sul-coreano), numa viagem de ida e volta, entre Punta Arenas, no Chile, e o aeródromo Teniente Marsh, na ilha do Rei Jorge).

Como Portugal não tem infra-estruturas permanentes na Antárctida, as campanhas científicas portuguesas têm de usar as bases que outros países mantêm no continente branco. Apoiam-se assim na cooperação com vários países, estabelecida pelo Programa Polar Português (Propolar) na última década, como a Argentina, Bulgária, Brasil, Chile, China, Espanha, Estados Unidos, Peru, Coreia do Sul e Uruguai. Até 2011, os cientistas portugueses limitavam-se a ser convidados nas bases de outros países e dependiam da sua boleia para lá chegar. O frete do avião é uma “troca” por esse apoio.

Quanto aos projectos com cientistas no terreno na Campanha Antárctica Portuguesa de 2017-2018, alguns visam especificamente os efeitos das alterações climáticas na região, como o do coordenador do Propolar, Gonçalo Vieira, do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa. Há muito que Gonçalo Vieira estuda o permafrost, o solo sempre congelado tanto no Inverno como no Verão, para saber se está a ser afectado pelas alterações do clima.

Nesta temporada, a sua equipa, que vai estar na ilha de Livingston e na Baía Cierva, vai melhorar as estações de monitorização autónoma do permafrost e trabalhar com drones: “Vamos continuar o trabalho com levantamentos com drones para monitorizar os riscos associados à degradação do permafrost em infra-estruturas e também monitorizar a deformação do solo gelado”, explica o cientista, acrescentando que a sua equipa está a colaborar com um projecto da Agência Espacial Europeia: “Estão-se a obter resultados muito interessantes sobre deformação de terreno, agora medidos através de satélite e que estão a ser validados por dados nossos.”

Ainda sobre o permafrost, a equipa de António Correia (da Universidade de Évora), também habitual na Antárctida, vai continuar os estudos geoeléctricos deste solo na Ilha do Rei Jorge e a sua influência nos ecossistemas junto a duas bases científicas.

PÚBLICO -
Foto
Gonçalo Vieira na campanha de 2012 à Ilha do Rei Jorge Nuno Ferreira Santos

E como está o permafrost? “Desde 2000 que se verifica uma tendência para o arrefecimento ao nível das temperaturas do ar na região Norte da Península Antártica. Mas, no permafrost, o que vinha a verificar-se no Norte da península era uma estabilização nas temperaturas e mesmo uma tendência para a redução da espessura da camada activa, que se funde no Verão”, responde Gonçalo Vieira. “Contudo, o Verão de 2016-17 voltou a ser mais quente, com menos neve, e não sabemos o que isso significa: se um pico ou se um regresso à tendência para o aquecimento que vinha a verificar-se, pelo menos entre 1950-1999. Estamos muito curiosos com o que se passará neste Verão, sendo que já sabemos há relativamente pouca neve. Há muita coisa por compreender melhor na dinâmica da Península Antártica.”

Prosseguindo estudos anteriores, a equipa de Pedro Pina, do Instituto Superior Técnico de Lisboa, volta a cartografar os círculos de pedras (que surgem na Antárctida marítima devido à dinâmica do solo superficial) bem como os padrões de vegetação – neste caso, na Ilha do rei Jorge, usando drones, para reconstituir a dinâmica da vegetação no passado.

Uma das novidades deste ano no terreno é um estudo de psicologia do grupo de Pedro Quinteiro Fernandes, do ISPA- Instituto Universitário (em Lisboa), sobre a eficácia do trabalho em equipa na Antárctida. Para tal, os cientistas portugueses que participaram na campanha do ano passado já foram entrevistados, antes e depois, e fizeram diários de campo. Resultados preliminares: as condições de alojamento são um factor de stress e as características dos membros das equipas, como a experiência de campo, são fundamentais para a eficácia das equipas. Agora, o grupo de Pedro Fernandes vai acompanhar na Ilha do Rei Jorge o trabalho não só da campanha portuguesa mas de equipas de outros países, como o Chile, China e Coreia do Sul.

Tudo muito longe de nós, ou já temos em Portugal manifestações do que passa no clima antárctico? “Temos, essencialmente no contributo para a subida do nível do mar e aumento de problemas com a erosão costeira”, responde Gonçalo Vieira. “A nível climático, a reacção é mais difusa e lenta e Portugal é mais directamente influenciado pelo que se passa no Árctico. Além disso, temos responsabilidades na gestão de uma região que é de toda a humanidade e Portugal precisa de ter uma palavra a dizer na gestão do futuro da região.”