Portugal esmaga Chipre no apuramento para o Mundial de andebol

Selecção nacional enfrenta, este sábado, o Kosovo, antes do grande duelo com a Polónia.

Foto
Portugal superiorizou-se a Chipre JOSE COELHO/Lusa

A selecção nacional de andebol derrotou, esta sexta-feira, na Póvoa de Varzim, a sua congénere de Chipre, por 47-16 (22-7, ao intervalo), no segundo jogo do Grupo 4, no dia de abertura do apuramento para o Mundial 2019, a disputar na Alemanha e Dinamarca.

Portugal dominou do primeiro ao último minuto, aproveitando as fragilidades e sistemáticos erros dos cipriotas, cuja estratégia de prescindir do guarda-redes para atacar com sete acabou por revelar-se desastrosa.

Portugal defrontará amanhã, às 18 horas, o Kosovo, que nesta sexta-feira saiu derrotado do encontro com a Polónia (30-19). Os polacos são o principal obstáculo à qualificação lusa, com o seleccionador nacional, Paulo Jorge Pereira, a perspectivar um duelo intenso na discussão do primeiro lugar do grupo.

Uma vitória que veio reforçar a convicção de que Portugal está, mais do que nunca, empenhado a enfrentar e exorcizar os fantasmas que têm impedido a principal selecção nacional de marcar presença nos grandes eventos desde o cada vez mais longínquo 2006, ano em que o seleccionado luso alcançou um modesto 15.º lugar no Euro (organizado pela Suíça) entre 16 competidores.

Paulo Jorge Pereira tem vindo a insistir no fortalecimento mental da equipa, na tentativa de superar precisamente essa incapacidade de atingir as grandes metas e de lidar, sem claudicar, com o quase sempre fatal “momento da verdade”.

O cenário apresenta-se, apesar de tudo, propício: Portugal actua em casa, na Póvoa de Varzim, moralizado pelas recentes vitórias na fase de preparação.

Os elogios à evolução da selecção nacional têm surgido de vários quadrantes, embora os responsáveis procurem relativizá-los, entendendo-os à luz de uma realidade mais fria e redutora. Para Paulo Pereira, esta postura simpática dos adversários poderá reflectir apenas o simples facto de Portugal ser visto como opositor relativamente inócuo, pelo que vai convocando a amabilidade geral... pelo menos até se emancipar e tornar numa verdadeira ameaça. Algo que o seleccionador pretende alterar a todo o transe, provando que Portugal pode transfigurar-se do ponto de vista psicológico e apresentar-se à alta sociedade antes mesmo do alargamento para 24 equipas no Europeu 2020, alteração que garante praticamente o regresso da selecção à elite.

Para já, Portugal sabe que se não tropeçar antes no tal estigma, o espera um duelo titânico com os polacos, habituados a palcos de enorme exigência, como se prova pelo currículo mais recente, vice-campeão mundial há dez anos, com direito a bronze em 2009 e 2015.

Ainda assim, Portugal acredita, até porque para se apresentar na Alemanha/Dinamarca teria que enfrentar (teoricamente) um adversário ainda mais poderoso, vindo do lote da equipas do Europeu 2019.