Da filosofia à computação, com foco na ciência da informação

Foto

Luciano Floridi fez uma licenciatura em Filosofia em Roma, seguida de mestrado e doutoramento na mesma área em Warwick. Como investigador de pós-doutoramento em Oxford explorou a lógica e daí migrou para as teorias da informação e do digital, tendo ocupado a cadeira da Unesco em Ética da Computação seguindo-se a presidência da Associação Internacional de Computação e Filosofia. Foi também presidente do grupo de Especialistas da Comissão Europeia sobre o impacto das tecnologias da informação, sendo actualmente Professor de Filosofia e Ética da Informação em Oxford, que acumula com a direcção do Laboratório de Ética Digital na mesma instituição.

Aos 53 anos, tem dez livros publicados nas áreas em que se foi especializando. O corpo da sua obra oscila entre literatura técnica altamente especializada e produtos pensados para o grande público, tornando-o um dos poucos pensadores desta área que é simultaneamente um especialista e um divulgador.

O seu livro mais popular chama-se Information e foi publicado na série “A Very Short Introduction”, em que se apresentam as linhas introdutórias de ideologias, conceitos e pensamentos relevantes no grande arco de conhecimento da humanidade. É um livro muito acessível que discute as várias informações (matemática, semântica, biológica, etc.) e que aborda também as questões da linguagem e da ética. Vai a meio na publicação de uma tetralogia sobre a filosofia da informação, que o próprio estima que demore mais uma década a terminar.

O seu último livro, The Fourth Revolution, (A Quarta Revolução, editado pela Oxford University Press) acaba por funcionar como paradigma da obra que publicou até agora: é um produto acessível a não-especialistas que parte de uma ideia amplamente reconhecida para explorar as fronteiras do conhecimento, cruzando várias disciplinas que contribuem para um mosaico bastante completo. O título é justificado pelo desenvolvimento de uma taxonomia das revoluções que questionam o papel fundamental do ser humano no centro do universo – em que depois da Copérnica, da Darwiniana e da Freudiana vem a revolução das Tecnologias. Floridi tem a mestria de abordar questões complexas de forma fácil, facilitando o entendimento sem transigir no relevo da informação que transmite. Esta obra tem como subtítulo How The Infosphere is reshaping human reality (como a infoesfera está a reformatar a realidade humana) e dedica-se a propor uma nova abordagem teórica que permita enfrentar os desafios epistemológicos criados pelas tecnologias de informação.