Björk regressa a Portugal para ser cabeça de cartaz em Paredes de Coura

A cantora islandesa é o primeiro nome anunciado para o festival minhoto, onde apresentará o seu álbum mais recente, Utopia. Actuará dia 18 de Agosto.

Björk já deu três concertos em Portugal, o primeiro dos quais em 1996
Foto
Björk já deu três concertos em Portugal, o primeiro dos quais em 1996 DR

É o primeiro nome anunciado para o Vodafone Paredes de Coura e é nome em grande: Björk estará de regresso a Portugal e será uma das maiores atracções do festival minhoto. A cantora islandesa apresentará o seu álbum mais recente, Utopia, editado em Novembro e co-produzido com o venezuelano Arca. O festival acontece entre 15 e 18 de Agosto e Björk actuará no último dia de festival, sábado.

Quando do lançamento, escrevemos no Ípsilon que naquele que é o seu nono álbum de estúdio, Björk mostra-se “com energia para se maravilhar com o mundo e criar uma novo espaço de satistação”: “Onde o magnífico Vulnicura era matizado de cinzento, com horizontes clautrofóbicos e quartos de cortinas cerradas, Utopia procura a luz, o acreditar outra vez na transcendência e na possibilidade do amor”.

Esta será a quarta passagem de Björk por Portugal, depois de ter actuado no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, em 1996, no Festival [email protected], em 2003, e no Sudoeste, na Zambujeira do Mar, em 2008. Em 2012, foi anunciada para o Primavera Sound, no Porto, mas uma inflamação dos nódulos das cordas vocais obrigou-a a cancelar o concerto.

Inicialmente membro dos Sugarcubes, banda islandesa que ganhou relevo na cena rock independente, iniciou uma carreira a solo que se revelaria marcante em 1993, com a edição de Debut. Atenta às linguagens emergentes da música electrónica, construiu um universo musical único que marcou de forma decisiva a década de 1990 e a seguinte, à medida que editava álbuns como Post (1995), Homogenic (1997) ou Vespertine (2001). A sua discografia completa-se com Medúlla (2004), Volta (2007), Biophilia (2011), Vulnicura (2015) e com o recentíssimo Utopia.