Editoras recusam publicar obra de Claude Simon (mas não sabiam que era do Nobel da Literatura)

Um fã do escritor francês enviou a 19 editoras 50 páginas de um romance originalmente publicado em 1962. Todas recusaram publicar a obra.

Foto
A acção do romance desenrola-se durante a Guerra Civil Espanhola, em que Simon participou Augusti Centelles

Um excerto de Le Palace, romance da autoria do falecido escritor francês Claude Simon, Prémio Nobel da Literatura em 1985, foi recusado por 19 editoras, depois de um fã do autor, Serge Volle, ter enviado 50 páginas da obra originalmente publicada em 1962.

Le Palace conta uma história desenrolada durante a Guerra Civil Espanhola, na qual Simon participou, e cujas cenas são descritas pormenorizadamente no livro. Segundo cita o The Guardian, Volle disse à rádio pública francesa, na segunda-feira, que a obra foi criticada por ter “frases extremamente longas” que “perdem completamente o leitor”. As editoras não pouparam nas críticas e, numa carta de rejeição, argumenta-se que o livro não tinha “um verdadeiro enredo com personagens bem concebidas”. Ao todo, 12 editoras rejeitaram o livro e sete nem chegaram a responder a Volle. 

O fã do escritor francês pretendeu mostrar, com esta experiência, que as editoras estão a “descartar obras literárias que não são fáceis de ler ou que não estabelecem recordes de vendas”. Volle, que também é escritor, afirma que vivemos “na era do livro descartável” e, citando Marcel Proust, que hoje em dia é preciso ser “famoso para poder ser publicado”. 

Claude Simon, autor de Le Tricheur (1945), O Vento (Le Vent, 1959), Les Corps Conducteurs (1971) e Les Géorgiques (1981)foi um dos representantes do chamado nouveau roman e recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1985. O escritor francês morreu a 6 de Julho de 2005, aos 91 anos.