Pinto da Costa: "Neste momento acabava de imediato com o videoárbitro"

O presidente do FC Porto revela-se contra a utilização do videoárbitro e contesta também o diferente tratamento que estará a ser dado às claques.

Foto
Pinto da Costa voltou às críticas à arbitragem LUSA/JOSÉ COELHO

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, mostra-se contra a utilização do videoárbitro (VAR), recordando alguns lances de jogos em que acredita que o seu clube foi prejudicado, garantido que o “VAR só tem servido nos jogos do FC Porto para dar cobertura aos falhanços dos árbitros.”

Na sua visão o “VAR trouxe alguma coisa de positivo para alguns e só negativo para outros": "Nos jogos do FC Porto, em todos os lances de possível dúvida, porque não há dúvida nenhuma, como o penálti das Aves e como o penalti de Luisão, aí o VAR estava distraído”, afirmou o dirigente numa entrevista ao jornal O Jogo, publicada nesta sexta-feira.

“Para mim é inconcebível que no lance do Luisão [durante o FC Porto-Benfica] e no das Aves, onde existem dois penáltis indiscutíveis, o árbitro não tivesse dúvidas e fosse rever, como ainda agora aconteceu no jogo do Portimonense com o Estoril. O que está lá o VAR a fazer?", questionou Pinto da Costa. "São factos. Se foi porque passou uma abelha e tirou-lhe a visibilidade, se estava constipado e espirrou naquele momento, isso já não sei", ironizou, antes de concluir. "Neste momento acabava de imediato com o VAR.”

Na mesma entrevista, o dirigente falou sobre o diferente tratamento que estará a ser dado às claques por parte dos organismos institucionais, a propósito do recente castigo aplicado pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) ao líder da claque Super Dragões, Fernando Madureira, impedido de entrar em recintos desportivos por seis meses. Clamando pela sua inocência, no caso concreto em apreço, Pinto da Costa refere que tal só aconteceu porque “é o responsável pela claque e está legalizado.”

Já o Benfica, segundo o dirigente, mantém uma claque ilegal “que faz trinta por uma linha, que já matou dois cidadãos, que já agrediu um juiz de linha durante um FC Porto-Benfica, que faz tudo o que lhe vem à cabeça, e depois assobia-se para o lado e aparecem o senhor Secretário de Estado e o presidente do IPDJ a dizer que não há nenhum problema e está tudo bem.”