Grupo de Portugal é dos "mais difíceis" para Figo

Ex-jogador pediu o "fim das polémicas" no futebol português.

Antigo "capitão" português pede o fim das polémicas no campeonato profissional
Foto
Antigo "capitão" português pede o fim das polémicas no campeonato profissional Reuters / Alex Morton

O ex-futebolista internacional português Luís Figo defendeu nesta quarta-feira que a selecção portuguesa calhou "num dos grupos mais difíceis" do Mundial 2018. Confia porém nas capacidades da selecção orientada por Fernando Santos, sustentando que dispõe de "uma das melhores equipas da actualidade".

"Sem dúvida que Portugal calhou num dos grupos mais difíceis, mas tem uma das melhores equipas da actualidade e as aspirações têm de ser as mesmas", observou o antigo jogador, à margem da festa de natal da Fundação Luís Figo, em Lisboa.

A selecção portuguesa é campeã europeia e o srteio da FIFA colocou-a no Grupo B do Campeonato do Mundo de 2018 – cuja fase final se vai realizar na Rússia –, em conjunto com as representações de Espanha, Marrocos e Irão.

"Portugal e Espanha são os favoritos, não apenas no grupo, mas na própria competição, ainda que seja preciso ter em conta que as outras duas selecções podem surpreender, tendo, inclusive, realizado qualificação fantástica", assinalou.

Figo lembrou as dificuldades sentidas para vencer por 2-0 a congénere iraniana, actualmente treinada pelo português Carlos Queiroz, na fase final do Mundial 2006, na Alemanha, num jogo em que foi o “capitão” da equipa lusa.

O ex-jogador pediu ainda o "fim das polémicas" no futebol português, manifestando o desejo de ver o Sporting sagrar-se campeão nesta época, num campeonato marcado pelo equilíbrio, e desvalorizando a eliminação na Liga dos Campeões, após a derrota por 2-0 sofrida na terça-feira, em Barcelona.

"Era um resultado esperado, mas o Sporting fez uma boa Liga dos Campeões, num grupo difícil. Tem de se focar agora no campeonato e na Liga Europa, procurando chegar o mais longe possível, sem ter obrigação de a ganhar", sustentou.