Santa Clara foi o tomba-gigante da Taça de Portugal

O emblema açoriano afastou o Desportivo de Chaves. Em Guimarães, o Vitória eliminou o Feirense.

Jogadores do Santa Clara festejam um dos golos
Foto
Jogadores do Santa Clara festejam um dos golos LUSA/EDUARDO COSTA

O Santa Clara, da II Liga, afastou, neste domingo, o primodivisionário Desportivo de Chaves, vencendo os transmontanos por 2-0, nos Açores. Fernando, aos 19 minutos, e Vítor Alves, aos 25’, marcaram os golos do segundo posicionado da II Liga perante o 14.º classificado do primeiro escalão, que falhou uma grande penalidade.

Depois de ter eliminado o Belenenses, o Santa Clara voltou a ser carrasco para um emblema do principal escalão do futebol nacional. Farense, Vilaverdense e Caldas são os representantes do Campeonato de Portugal nos oitavos-de-final da competição, onde também estará o Vitória de Guimarães, vencedor do único duelo entre equipas da I Liga disputado neste domingo (2-1).

No Estádio D. Afonso Henriques, frente ao Feirense, Héldon colocou o vitorianos a vencer cedo (4’), serenando uma equipa que tem vivido sob tensão. A expulsão de Jean-Sony, por acumulação de cartões amarelos, no recomeço da partida (48’), facilitou ainda mais a vida aos vitorianos que confirmaram o triunfo dez minutos depois, num grande remate de Raphinha, embora tivessem ainda apanhado um susto com o golo de João Silva, a um quarto de hora do fim.

Bem perto de conseguir juntar-se aos açorianos na condição de tomba-gigantes esteve a Oliveirense. E a vítima teria sido o Marítimo. É que os insulares estiveram a perder em duas ocasiões, mas garantiram a passagem à fase seguinte no prolongamento, vencendo por 3-2.

Aos 36 minutos, Apolo Silva adiantou a Oliveirense, com Rodrigo Pinho a empatar ainda antes do intervalo, aos 41’. No segundo tempo, aos 83’, Apolo Silva bisou e recolocou a equipa da casa na frente, mas Rodrigo Pinho surgiu novamente para estragar a festa da Oliveirense, aos 90’+3’. No prolongamento, o brasileiro chegou ao hat-trick, aos 105’, fixando o resultado final e garantindo a passagem maritimista.

Bem estiveram também Caldas e Farense, clubes do Campeonato de Portugal (terceiro escalão nacional) e que eliminaram emblemas de escalões superiores.

O Caldas afastou o Arouca, clube que há um ano competia na I Liga. A equipa da região oeste do país levou a partida até ao desempate por grandes penalidades onde foi mais certeira, depois do empate a um golo com que terminaram os 90 minutos regulamentares não se ter desfeito no prolongamento. É a primeira vez, nos seus 101 anos de história, que o Caldas chega aos “oitavos” da Taça.

Também o Farense voltou a viver uma tarde de glória. A equipa que durante muitos anos competiu na I Liga voltou ontem a surpreender uma formação de escalão superior na Taça de Portugal, ao vencer o Leixões, da II Liga, por 2-1, virando o marcador. Depois de, na ronda anterior, ter eliminado, também no Estádio de São Luís, o primodivisionário Estoril (1-0), o líder da Série E do terceiro escalão nacional bateu, desta vez, o quarto classificado da II Liga.

Destaque ainda para o triunfo da Académica sobre o Nacional. Num duelo entre duas equipas que até há bem pouco tempo jogavam na I Liga, um golo do capitão Marinho (62’) foi o suficiente para manter a formação de Coimbra em competição, marcando ainda com um triunfo a estreia do treinador Ricardo Soares como técnico da “briosa”.