Nervos e vitória na estreia de Grigor Dimitrov

No Uruguai, Gastão Elias falhou a conquista do challenger de Montevideu.

Dimitrov
Foto
Dimitrov Reuters/TONY O'BRIEN

Quando delineou os objectivos para 2017, Grigor Dimitrov apontou para terminar o ano no "top-10". Mas a certa altura da época, a possibilidade de qualificar-se pela primeira vez para as ATP World Tour Finals foi sendo cada vez mais real. Até que há duas semanas, Dimitrov tornou-se no primeiro búlgaro a competir no prestigiado torneio que encerra a época. Um sonho mas também uma responsabilidade com que Dimitrov soube lidar na sua estreia.

“Estava mesmo nervoso com o meu primeiro encontro aqui. Senti o peso nos ombros; não é fácil jogar aqui pela primeira vez. Foi uma daquelas experiências de que me vou recordar toda a minha vida. É aqui que eu sempre quis estar, entre os melhores jogadores, e ser capaz de vencer o primeiro encontro, só é positivo”, revelou Dimitrov (6.º no ranking), depois de vencer Dominic Thiem (4.º), por 6-3, 5-7 e 7-5.

No duelo entre dois tenistas que têm em comum a esquerda batida com uma mão, foi Dimitrov que começou melhor. Mas Thiem, que chegou a Londres com dois encontros ganhos nos últimos cinco torneios, soube reagir e, ao fim de hora e meia – e depois de salvar um break-point para fazer o 6-5 – dispôs de uma oportunidade de break e Dimitrov, a acusar o resultado, cedeu o serviço (e o set) em branco. O búlgaro recompôs-se rapidamente e, com um break no sexto jogo, adiantou-se decisivamente para 5-2.

No entanto, Thiem devolveu o break, só que duas duplas-faltas consecutivas do austríaco deram nova oportunidade a Dimitrov, que quebrou o adversário, em branco. A 6-5, Dimitrov também cometeu uma dupla-falta mas desta vez não deixou passar a ocasião e fechou o encontro em duas horas e 20 minutos.

A primeira ronda do Grupo Pete Sampras ficava concluída com o encontro da sessão nocturna, entre Rafael Nadal (1.º) e David Goffin (8.º).

Em Montevideu, Gastão Elias disputou a final do Uruguai Open, depois de vencer o compatriota João Domingues, por 7-5, 6-3. Mas no derradeiro encontro do challenger uruguaio teve pela frente o experiente Pablo Cuevas (32.º no ranking desta semana) que, aproveitou o factor casa, para vencer por 6-4, 6-3.

Com este resultado, Elias subiu ao 113.º lugar da tabela ATP, onde João Sousa ocupa o 58.º posto e Domingues alcançou novo máximo pessoal, ao surgir no 166.º lugar. Ostentando igualmente as suas melhores classificações de sempre, estão também no "top-250", Gonçalo Oliveira (211.º) e João Monteiro (237.º).