Projectos das 82 estações do Metro do Porto cedidos à Casa da Arquitectura

O acervo estará acessível ao público no arquivo das novas instalações da Casa de Arquitectura que inauguram na próxima semana. Antes disso haverá uma exposição.

Uma das maquetes
Foto
Uma das maquetes

Maquetas, fotografias e desenhos gráficos relativos a todas as fases de projecto da construção das 82 estações do metro do Porto vão ser cedidos à Casa de Arquitectura (CA), que inaugura as novas instalações no antigo edifício da Real Vinícola, em Matosinhos, com três dias de festa, entre 17 e 19 deste mês.

A colecção Elementos de Arquitectura "Estações de Metro", composta por materiais usados pelos arquitectos envolvidos na fase de concepção da obra, será transferida no próximo dia 24 para o novo espaço onde funcionará o Centro Português de Arquitectura para se juntar a outros acervos já reunidos pela CA como são exemplo os desenhos e maquetas de obras construídas em Matosinhos por arquitectos como Álvaro Siza, Fernando Távora, Alcino Soutinho, Nuno Brandão Costa e Eduardo Souto de Moura ou o projecto do Museu dos Coches, da autoria de Paulo Mendes da Rocha e Ricardo Bak Gordon.

É acervo que ficará em arquivo, mas disponível a todos os investigadores e curiosos que queiram consultar os registos dos arquitectos envolvidos na construção das 82 estações. São eles: Adalberto Dias, Álvaro Siza, Castro Calapez, José Bernardo Távora, José Gigante, Manuel Fernandes Sá, Rui Passos Mealha, Rogério Cavaca, Souto de Moura, Alcino Soutinho e João Álvaro Rocha.

A colecção ficará igualmente disponível numa plataforma online, ainda em desenvolvimento, que servirá de apoio à busca de acervos e obra de arquitectos. Explica-nos o director-executivo da CA, Nuno Sampaio, que este serviço, além de permitir o acesso online às obras, encaminhará o utilizador para o espaço físico onde elas se encontram.

Nesta quinta-feira, dia em que assinou o protocolo de cedência do espólio à instituição em conjunto com o presidente da mesma entidade que dirige, José Dias da Fonseca, e com Jorge Moreno Delgado e Pedro Azeredo Lopes, respectivamente o presidente e o administrador da Metro do Porto, adiantou que a transferência do material até agora guardado no arquivo da empresa de transportes corresponde apenas à primeira fase. “Numa segunda fase vamos convidar todos os arquitectos envolvidos a juntarem-se a todo este processo para que nos possam doar esquissos, croquis e outros materiais que tenham sido usados, no sentido de ampliar o acervo”, conta. Toda esta recolha culminará numa última etapa antes de seguir para o arquivo: “Depois queremos fazer uma grande exposição”.

Nuno Sampaio sublinha a importância do material cedido pela empresa à CA: “Na altura em que foi lançado era o maior concurso de construção da Europa”. Outro factor que justifica a inclusão deste espólio no arquivo da instituição é o facto de ter sido um projecto “liderado por arquitectos”. O que entende ter sido fundamental em termos de resultado e de enquadramento dos edifícios na paisagem urbana.

Diz o presidente da Metro do Porto, Jorge Moreno Delgado, que são “milhares” de materiais os que estão guardados nos arquivos da empresa e que agora serão cedidos à CA. Numa primeira fase, por uma questão de “facilidade” logística, serão transferidos para o edifício da antiga Real Vinícola as maquetas. Só depois seguirão os restantes elementos gráficos que ainda estão a ser seleccionados.

Desde que a direcção da CA mostrou interesse em tornar-se responsável pelo acervo, a decisão foi quase “automática”. “É um espólio que temos em nosso poder e por isso temos a responsabilidade ética de o preservar e de o manter. Não sendo essa a nossa vocação principal nem o core business da empresa este foi sendo um problema constantemente adiado à procura de uma oportunidade e de uma ideia”, afirma. Considerou a empresa que a CA, que conta com uma equipa especializada” reúne todas as condições para concretizar essa tarefa. O interesse demonstrado, diz, é também “o reconhecimento do valor arquitectónico” de um projecto que “várias vezes recebeu prémios internacionais”.

Sugerir correcção