Em Novembro de 2017, ainda é cedo para falar em presidenciais

Fotogaleria
Maria de Belém diz que está de férias da política,Maria de Belém diz que está de férias da política Adriano Miranda,Adriano Miranda
Para João Galamba é cedo para falar das presidenciais de 2021
Fotogaleria
Para João Galamba é cedo para falar das presidenciais de 2021 Enric Vives-Rubio

Há pouco menos de dois anos, no rescaldo de umas eleições legislativas que abriram uma crise política sem precendentes e com Marcelo Rebelo de Sousa já candidato confirmado à presidenciais, o PS debatia a questão dos apoios na corrida a Belém. Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém disputavam, e dividiam, o espaço reservado aos socialistas, mas o partido teimava em manter-se em silêncio.

No mês de Janeiro de 2016, a 15 dias das eleições, António Costa foi à reunião da Comissão Nacional socialista dizer que era “dever dos militantes e simpatizantes” baterem-se por uma das duas candidaturas da área do PS, sem especificar.

Não admira, portanto que agora, em 2017, a três anos das eleições de 2012, o porta-voz do PS considere que é muito cedo para responder a perguntas sobre presidenciais. “Ainda estamos a uma longa distância. Não me parece que seja uma questão que se coloca em 2017”, diz João Galamba ao PÚBLICO.

Sem mostrar incómodo pelo rumo que a relação entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa levou na última semana, Galamba acrescenta: “O PS deve posicionar-se como sempre se posicionou. Fazer a sua parte e manter a enorme lealdade institucional como tem acontecido até agora”. Para sempre? “É uma característica da relação que ela dure”, defende.

Estas declarações foram prestadas já depois de o Presidente da República ter definido, à margem do XX Seminário Nacional do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, o que entende por solidariedade institucional, expressão usada para se referir à relação entre o Presidente e o primeiro-ministro. "A solidariedade institucional é mais do que franqueza, lealdade, informação, colaboração, entre níveis diferentes de poder e com responsabilidades diferentes. É até mais do que empatia ou amizade. Tudo isso existe, existiu e vai existir, mas a solidariedade institucional é, sobretudo, um compromisso com os portugueses", disse, citado pela Lusa.

O PÚBLICO também contactou a socialista Maria de Belém não só para ouvi-la sobre a declaração que Marcelo fez ao país, como para perceber se continua a ter, de alguma forma, os olhos postos no cargo ao qual já concorreu. Mas, do outro lado da linha, Maria de Belém declinou, bem-disposta, responder às perguntas. Começou por dizer que, apesar de haver “pessoas que têm muita notoriedade e que a adquirem por causa disso”, não é comentadora. Além disso, não lhe interessa muito reflectir sobre querelas Belém-São Bento: “Nunca fiz política com base nas intrigas e jogos palacianos.”

A política que lhe interessa passa por saber se o que o Presidente fez “foi bom ou não para as pessoas”, mas nem essa opinião vai partilhar, por saber que seria lida de forma política – e Maria de Belém não quer, neste momento, movimentar-se nesse xadrez. Explicou que não tem estado a fazer “política activa” mas intervenção cívica e social (como conferências, por exemplo): “Nesta fase estou em férias da política”, sublinhou. Nesta fase? Quer dizer que pondera regressar à cena política? “Só participo quando considero importante.” Como as eleições presidenciais? Vai voltar a concorrer? “São assuntos sobre os quais não opino nem reflicto neste momento”, disse apenas.

Sampaio da Nóvoa, também contactado, não se quis pronunciar sobre política.