Torne-se perito

Vinte e quatro horas em Copenhaga — e debaixo de chuva

Consegue ser incansável, a chuva em Copenhaga. Nada que impeça um passeio atraente, para quem tem um dia ou dois para gastar na capital dinamarquesa.

Foto
Getty Images

Se por acaso aquilo que se diz sobre os casamentos — que molhado significa abençoado — também for verdade para as viagens, então esperava-nos um bendito passeio. Pela mesma lógica, o último seria o mais feliz: sob uma persistente chuva miudinha, fomos de um castelo do século XVII a uma comuna livre dentro da cidade — onde comercializam substâncias ilícitas como quem vende malas falsificadas — e, mais tarde, a um mercado de comida do mundo.

O dia começou com confirmação de que a breve visita ao Tivoli — um parque de diversões cosmopolita perto do centro da cidade — seria impossível. Ao nosso lado, um grupo de estudantes em visita da escola preparava-se para entrar, indiferente às condições meteorológicas. Não é surpreendente, tendo em conta que mais de metade das pessoas em Copenhaga andam na rua sem guarda-chuva — no limite, com o capuz.

Do Tivoli ao Castelo de Rosenborg estende-se pouco mais de quilómetro e meio — distância de 20 minutos a passo normal. Vale a pena a caminhada até lá: nenhuma fotografia, nem conversa, nos prepara para a quantidade de bicicletas estacionadas ao longo da longa avenida Nørre Voldgade, onde está localizada saída da estação Nørreport, a mais movimentada do país. Não fosse a chuva, talvez se tivesse tentado contar quantas eram. Segundo a Cycling Embassy of Denmark, as obras feitas em 2012 aumentaram a capacidade do estacionamento de 900 para 1900 bicicletas — sendo que, num dia normal de semana, os lugares estavam praticamente todos cheios.

De acordo com a empresa de design Copenhagenzie — que desde 2011 analisa anualmente as cidades mais amigas das bicicletas —, Copenhaga roubou o número um a Amsterdão. A cidade tem investido fortemente em infra-estruturas como auto-estradas de bicicletas que juntam o centro às periferias e sistemas de partilha de bicicletas eléctricas. Em 2016, o município anunciou que, pela primeira vez o número de bicicletas em circulação ultrapassava o número de carros, de acordo com o Guardian. Os ciclistas, claro, também pedalam à chuva — com auriculares e sem capacete, comandam a estrada, a altas velocidades.

O cenário de caos junto à avenida de passagem muda drasticamente à medida que nos aproximamos do Castelo de Rosenborg. O interior reflecte toda a pompa e circunstância de uma monarquia absoluta que se fazia à imagem de Versalhes. Uns dez monarcas habitaram o palácio, antes de este ser aberto ao público como museu, em 1838:  Christian IV foi o original usuário do opulento quarto de mármore, Christian V construiu uma enigmática sala de vidro espelhada e Frederick IV acrescentou-lhe um pequeno esconderijo de arte erótica.

Apesar de já passar das 13h, o restaurante onde almoçámos, Aamann’s 1921, ainda estava cheio — de locais cosmopolitas, não de turistas. Os pratos são servidos na forma do típico smørrebrød dinamarquês — com ingredientes em cima de pão escuro (rugbrød) de moagem caseira. O arenque marinado entre seis a 12 meses com limão (105 coroas) é uma boa opção.

A visita à Freetown Christiania — uma zona independente da cidade, fundada por hippies nos anos 1970 — prometia ser um passeio ameno pelos vestígios de um passado excêntrico. Afinal, a colorida comuna abdicou do estatuto à margem da lei, em 2011, e adquiriu oficialmente a propriedade através de um fundo colectivo.

Os locais parecem ter ficado indiferentes. Na rua principal de Christiania — onde é expressamente proibido fotografar — vende-se cannabis como se de qualquer outro tipo de mercadoria se tratasse: black widow, icey lemon, amnesia… a escolha é do freguês! Há pelo menos uma dúzia de vendedores instalados em bancas de madeira alinhadas ao longo do caminho. Não deixa de ser estranho estarem instalados tão à vontade. Um dos vendedores aponta para o pano que forra o topo da banca, que quando necessário se transforma numa trouxa de escape, com um simples puxar dos cordões. “A polícia vem cá todos os dias”, conta à Fugas.

Numa explosão de cores, o coração do bairro — onde  “todos se conhecem” — estende-se por duas ruas principais, que nos levam a um lago. Há espaços culturais, um café com mesas corridas no exterior, uma casota infantil, uma canoa e uma estátua de uma mão.

O jantar foi no Copenhagen Street Food — uma espécie de lisboeta Mercado da Ribeira com comida do mundo, em Paper Island. Não fosse o voo na manhã seguinte às 6h, poder-se-ia ter fechado o dia com um copo no Musen & Elefanten, um pequeno bar escondido numa rua qualquer — encontrado ao acaso, na noite anterior, num momento de desespero, em que a melhor alternativa que se apresentava era um bar de karaoke. Lá dentro, os lugares eram escassos e havia apenas uma mesa de seis, o número exacto do grupo. Em resumo, a definição de serendipidade.

Descemos umas escadinhas da rua e entrámos numa outra dimensão: uma mistura entre o boteco onde a personagem de Diane Kruger é ferida na perna, em Sacanas Sem Lei, e um velho pub com toques excêntricos. A cerveja é servida a partir da tromba de um elefante pendurado na parede. Ao balcão, dois homens entretêm-se num jogo repetitivo de dados, enquanto mantêm uma conversa animada com a empregada. Na maior mesa do bar, um grupo de jovens com um aspecto de diplomatas — com pins na lapela do fato e cabelo penteado para trás com gel — conversam alegremente, ocasionalmente começando a cantar músicas dinamarquesas. De acordo com uma utilizadora do Yelp, não é fora do comum encontrar políticos no pequeno bar.

Da manhã ao final da noite não parou de chover — e sim, foi um dia em cheio.

A Fugas viajou a convite da Carlsberg

Sugerir correcção