Seis dias de ilusão no Encontros Mágicos de Coimbra

Programação deste ano vai passar por várias freguesias do concelho e inclui espectáculo para invisuais.

SERGIO AZENHA
Foto
SERGIO AZENHA

Coimbra volta a receber o festival Encontros Mágicos na terceira semana de Setembro. De 19 a 24 de Setembro, 19 artistas de vários continentes vão espalhar-se pela cidade e dar 127 espectáculos. Para além das habituais apresentações de rua, na programação há ainda espaço para a magia solidária, aulas de magia e para a descentralização do evento. 

Durante a apresentação da iniciativa que decorreu nesta quarta-feira na Câmara Municipal de Coimbra, o mágico Luís de Matos destacou a presença de mágicos de renome internacional, que vêm de 13 países.

O evento, que tem a organização da autarquia de Coimbra e é produzido pela Luís de Matos Produções, tem ainda uma componente solidária, afirmou a vereadora da cultura Carina Gomes. “Visitamos as pessoas que não se podem juntar a nós”, aclara Luís de Matos. O Encontros Mágicos não vai só andar pelas ruas, mas vai passar também pelos Hospitais da Universidade de Coimbra, pelo Hospital Pediátrico, pelo IPO e pelo Estabelecimento Prisional de Coimbra.

Mas há mais preocupações com outro tipo de públicos. O chileno Juan Esteban Varela leva a Coimbra um espectáculo com carácter “sensorial” de “magia na escuridão”. Luís de Matos lembra que “sentir o momento mágico não passa apenas pela visão”, pelo que o artista chileno criou um espectáculo que põe os invisuais no centro da preocupação. Quem não for invisual também pode assistir, mas terá que permanecer vendado, advertiu Luís de Matos. O responsável pela produção acrescentou que foram estabelecidos contactos com associações de invisuais de vários pontos do país para que possam participar.

Carina Gomes refere que, para além dos eventos na zona mais central da cidade, a iniciativa se estende a outras quatro freguesias do concelho, para que os encontros cheguem a mais pessoas. Esta opção de descentralização do festival, considera, tem contribuído para o para o aumento do público nas últimas edições. A responsável destacou igualmente o contributo do evento para visibilidade da cidade, um ponto sublinhado por Luís de Matos. O mágico fez menção ao “eco nacional e internacional que Coimbra acaba por ter durante esta semana”.

Antes de chegar a Coimbra, há dois dias de pré-programação na Figueira da Foz. Esta é a vigésima primeira edição do festival Encontros Mágicos, tendo-se realizado pela primeira vez em 1992 e voltado, depois de um hiato, em 1998.