É proibido falar crioulo

Nas novelas e na sociedade, que papel é atribuído aos negros portugueses? "Há sempre uma barreira". Queixas de proibição de falar crioulo no trabalho chegaram ao SOS Racismo. Cátia Severino presenciou um episódio

Foto
Paulo Pascoal é actor, modelo, performer: recusa papéis estereótipados Mário Lopes Pereira

Espelho do que se passa na sociedade ou reforço de estereótipos, as telenovelas, as séries, os filmes a publicidade são um termómetro para perceber como são percepcionados os papéis sociais. Actor e modelo angolano, performer, guionista, homem multifacetado, Paulo Pascoal, 35 anos, fez a série Morangos com Açúcar há anos. Hoje sente que as coisas estão a mudar em Portugal mas é crítico em relação à forma como os negros aparecem nas novelas portuguesas.

Recentemente, representou o papel de um bailarino com formação clássica no Conservatório, na telenovela Coração d’Ouro, da SIC; há algumas personagens negras nas novelas com algum destaque – por exemplo Ana Sofia Martins, em A Única Mulher, da TVI. Mas ainda não apareceu no ecrã uma família inteira negra, com protagonismo. O mais normal é haver “personagens que incorporam o cliché”, uma forma de reforçar o estereótipo social que já existe. “Desde há uns anos que recuso papéis que cumprem um cliché social reservado ao negro: o obreiro, o empregado de mesa, o bandido, o cantor. Não temos que estar naquele registo da subclasse, que respeito, mas que é assim considerada socialmente.”

Com 20 anos de carreira, raramente o chamam a audições que não sejam para representar o papel específico de uma personagem negra. Existe uma falta de sentido de risco de quem está à frente dos projectos pensando “que as pessoas não se vão identificar”, critica: “Por que não pôr um negro como presidente do país ou porque não há um negro que seja personagem principal? Com tantos actores negros formados…”

Por outro lado, “a síndrome do único” acompanhou anos a fio Paulo Pascoal, actor que estudou em Nova Iorque: tantas vezes era o único negro nos sítios e nos projectos onde estava. E sentiu várias vezes não ser olhado “como fazendo parte”. “Há sempre uma barreira. Aconteceu irem buscar-me para representar a diversidade do projecto.” Como também aconteceu insinuarem que tinha sido escolhido por causa de “cunha” e não porque tinha talento.

Deitar fora currículos de negros

Não vemos negros em papéis de destaque nas televisões, não vemos negros em posições de liderança. Mas vemos negros em serviços como supermercados, mais do que no atendimento ao público em grandes lojas de marca.

Cátia Severino, 40 anos, afrodescendente, investigadora de pós-doutoramento na área da Linguística, trabalhou durante anos em lojas de roupa de grandes cadeias internacionais e conta que viu responsáveis pelo recrutamento deitarem fora ou porem de lado os currículos de candidatos negros.

No Algarve, zona em que a presença de afrodescendentes é menor, e onde começou a trabalhar aos 23 anos, ouviu comentários como “era só o que me faltava, agora que preciso de gente e só me aparecem pretos”. E, anos depois em Lisboa, em 2009, não se esquece de um episódio em que estava com duas colegas cabo-verdianas no armazém a falar quando apareceu um chefe a proibi-las de usar crioulo (língua que Cátia Severino não fala, mas percebe). “Ficámos indignadas. Disseram que tivemos um comportamento de insubordinadas. O facto de já estarmos a estudar na faculdade e de vermos aquele trabalho como provisório deu-nos mais liberdade, não precisávamos de nos sujeitar.”

PÚBLICO -
Foto
Cátia Severino

Identifica o que aconteceu como “racismo”: “Se estivéssemos a falar inglês, duvido muito que dissessem alguma coisa. Acham que estão no direito de proibir por estarem numa situação de poder e de terem a possibilidade de subalternizar os outros”. No fundo é também um espelho do facto de a “integração ter uma parte de não-aceitação evidente”. Quem põe o limite, mesmo que indirectamente, está a afirmar: “‘Até podes estar integrado, mas serás sempre relembrado da tua situação e a qualquer momento posso excluir-te’. O troféu é o emprego: ‘ponho-te no lugar, e em última análise tiro-te’.”

A proibição de falar crioulo não foi inédita. A associação anti-racista SOS Racismo tem pelo menos quatro queixas por proibição de falar em crioulo dirigidas a empregados negros, cabo-verdianos e guineenses em três cadeias de supermercados.

Com um tom de pele claro, Cátia Severino sente que muitas vezes assiste a situações de racismo a partir do “backstage”. Se prender os caracóis passa “despercebida”, mas nunca sabe quando é que um elogio como “ficas bem de cabelo apanhado” na verdade quer dizer que a pessoa está a insinuar que quanto menos negra ela parecer, melhor.

Não é óbvio que tenha ascendência negra e é nisso que sente que as pessoas reparam num primeiro contacto. Quando está entre brancos, depois dos primeiros minutos de conversa, basta abrir-se “uma brecha” para uma zona de informalidade que lhe perguntam: “‘Mas tu tens mistura, não tens? Os teus pais são de onde?’ E depois dizem: ‘vi logo’. Ou seja, para eles nunca serei branca”, conta. “Do outro lado querem saber de que país é a minha origem mas é diferente, é por uma questão de reconhecimento, não é discriminatório”, conclui. 

Ver os textos complementares aqui:

“Quero a oportunidade de provar que posso fazer igual aos brancos”

Portugal é dos países que mais manifestam racismo

Governo quer que Censos tenha dados étnicos da população