Marco António Costa acusa esquerda de querer silenciar Cavaco Silva

Vice-presidente do PSD lembrou intervenções críticas de outros anitgos Presidentessem que isso gerasse reacções "do nível das que assistimos".

Marco António Costa saiu em defesa de Cavaco Silva
Foto
Marco António Costa saiu em defesa de Cavaco Silva Rui Gaudencio

O vice-presidente do PSD Marco António Costa considerou hoje inaceitáveis e inapropriadas as reacções de partidos da esquerda à intervenção de Aníbal Cavaco Silva, afirmando que constituem uma tentativa de silenciar o ex-Presidente da República.

“A reacção destes partidos foi uma violenta, inapropriada e inaceitável tentativa de silenciar um ex-Presidente da República que com toda a legitimidade tem o mesmo direito dos seus antecessores em assumir as posições públicas que bem entenda”, escreveu Marco António Costa na sua página da rede social Facebook.

Na quarta-feira, Cavaco Silva deu uma ‘aula’ de 50 minutos na Universidade de Verão do PSD, na qual defendeu que "a realidade acaba sempre por derrotar a ideologia" e os que, nos governos, querem realizar a revolução socialista "acabam por perder o pio ou fingem que piam".

O ex-Presidente criticou também o que considera ser a "verborreia frenética" da maioria dos políticos europeus, elogiando a excepção do Presidente francês, Emmanuel Macron, e pediu aos jovens "força e coragem para combaterem o regresso da censura".

Cavaco Silva dedicou ainda uma parte da sua intervenção a elogiar a estratégia comunicacional de Macron, dizendo ver semelhanças com a que adoptou quando exerceu cargos de poder e que passa por recusar qualquer "promiscuidade com jornalistas".

Afirmações que levaram o PS a acusar Cavaco Silva de falta de sentido de Estado e a lamentar que quando estava em Belém não tivesse "piado mais" na defesa dos portugueses.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou as declarações de Cavaco Silva sobre a actuação das esquerdas “iguais às que se esperavam”, referindo que a realidade tem vindo a desmenti-lo “há já bastante tempo”.

Posições que para Marco António Costa contrariam "a cultura democrática" que em Portugal "sempre primou por um particular respeito pela opinião emitida por ex-Presidentes da República”.

“Percebe-se que foi certeiro no que disse, pois só isso justifica tais reacções”, escreveu Marco António Costa.

O vice-presidente do PSD considerou ainda que os ex-Presidentes Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio “sempre formularam críticas e emitiram opiniões políticas que muitas das vezes visaram governos ou agentes políticos. Ora, tal circunstância não gerava reacções do nível das que assistimos, protagonizadas pelo PS, PCP e BE, a propósito da intervenção do Professor Cavaco Silva na Universidade de Verão da JSD”.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações