A grande marca em Bruxelas foi de Darrell Hill

Lançador do peso surpreendeu na final da Liga de Diamante, batendo o campeão olímpico.

Foto
LUSA/STEPHANIE LECOCQ

A Liga de Diamante do atletismo em 2017 teve nesta sexta-feira a sua segunda, e definitiva, final em Bruxelas no Estádio Rei Balduíno, em mais uma edição do Memorial Ivo van Damme. Em fim de época, a reunião foi relativamente pacata, mas com interessantes excepções. Uma delas ocorreu na véspera, com a antecipação da prova do lançamento do peso, colocada no meio da capital belga. 

O campeão olímpico, o americano Ryan Crouser, dominava sem contestação com a excelente marca de 22,37m quando, no último ensaio, o seu colega Darrell Hill acertou em cheio, em estilo rotacional, para lançar a 22,44m. Tratou-se de um recorde pessoal por mais de meio metro, que colocou Hill na 13.ª posição nas listas de sempre e, curiosamente, transformou o gigante americano (1,93m) no melhor lançador de peso negro de todos os tempos.

Ryan Crouser, por seu lado, passou a ser o segundo melhor de sempre a perder uma prova de peso, com os seus 22,37m. O melhor para esse efeito continua a ser o recordista mundial Randy Barnes, segundo com 22,39m na final olímpica de 1988, em Seul, ganha pelo alemão de leste Ulf Timmermann, com 22,47m.

Já nesta sexta-feira brilhou de novo nos 400m a campeã olímpica Shaunae-Miller-Uibo, das Bahamas, a fazer esquecer o modesto quarto lugar nos Mundiais de Londres. Miller-Uibo só teve réplica da jovem (19 anos) Salwa Eid Naser, do Bahrein, até cerca dos 320m — depois, embalou para a melhor marca mundial do ano, com 49,46s, enquanto a sua rival batia o recorde nacional, a menos de 50 segundos (49,88s).

Outra bela prova protagonizou a  fundista dominante do momento, a queniana Hellen Obiri, nos 5000m. À entrada para a última volta, ainda tinha cinco adversárias no encalço, mas um grande final permitiu-lhe ganhar com o belo tempo de 14m25,88s, que na  presente temporada só ela (14m18,37s) e a etíope Gnezebe Dibaba (14m25,22s) melhoraram. Resistindo muito para além do esperado, a queniana Caroline Kipkirui foi segunda, com 14m27,55s, numa progressão deveras  incrível para quem tinha 14m51,87s.

No salto em altura, ainda feminino, a russa Mariya Lasitskene manteve a invencibilidade, desta vez passando 2,02m, mas já nos 200m masculinos o também campeão mundial, o turco Ramil Guliyev, teve de se contentar com o terceiro lugar (20,02s ), numa prova apertada ganha pelo americano Noah Lyles (20,00s). A jamaicana Elaine Thompson conseguiu impor-se nos 100m, com 10,92s, um centésimo melhor do que Marie-Josée Ta Lou, da Costa do Marfim.