Os ossos de choco de Philip Guston

Na programação paralela à Bienal de Veneza, a antológica do pintor Philip Guston é uma das melhores exposições que decorrem ainda na cidade italiana.

Fotogaleria
O mérito desta exposição é o de nos dar a entender que, entre a pintura e a poesia, o que importa é ser. É tocar-se, e nunca deixar de dizer que se é. Tal como sucede nos poetas e no pintor que aqui encontramos Lorenzo Palmieri
Fotogaleria
Lorenzo Palmieri
Fotogaleria
Lorenzo Palmieri
Fotogaleria
Lorenzo Palmieri
Fotogaleria
Lorenzo Palmieri
Fotogaleria
Lorenzo Palmieri

Qualquer visitante de Veneza que para aqui se dirija sabe que há dois museus fundamentais que não pode deixar de ver: a colecção Peggy Guggenheim e a Accademia. Ambos ficam muito perto um do outro, e  simbolizam a atracção que Veneza, vista como um lindíssimo simulacro a-histórico, um compêndio da história da arte ocidental, sempre exerceu sobre os artistas do Novo Mundo. Philip Guston (1913 – 1980), nome maior da arte norte-americana do século XX, foi um destes artistas. Em novo, integrou o grupo dos muralistas norte-americanos, depois adoptou a abstracção lírica e finalmente, a partir de 1970 (e depois de constatar com desgosto que o abstracionismo se estava a transformar num academismo), regressou à figuração, que trabalharia até à morte. Admirava e estudava a arte do passado, principalmente a arte italiana, chegando a fazer estadias em Itália que determinaram a sua obra.

A exposição que decorre na Accademia até Setembro, Philip Guston & the poets, como o nome indica, não se concentra em criar uma retrospectiva global do trabalho do artista, mas em destacar as relações entre certos núcleos do seu trabalho e obras de cinco poetas. O curador, Kosme de Barañano, estabeleceu paralelismos entre  pinturas e desenhos de Guston, e poemas específicos de D. H. Lawrence, W. B. Yeats, Wallace Stevens, Eugenio Montale e T. S. Eliot. De facto, Guston toda a vida se interessou por poesia, sabendo-se que manteve relações de amizade com um número considerável de poetas não só da sua geração como mais novos. A sua mulher também escrevia poesia, e a exposição contém um pequeno núcleo de ilustrações feitas para a obra da esposa.

Este tipo de associações poderá parecer anacrónico. De facto, a crítica contemporânea da arte almeja a uma independência da literatura que não raro apenas conseguiu, noutras épocas, falar sobretudo da sensibilidade de quem escrevia, mais do que aquilo que era suposto o crítico criticar… Contudo, é evidente que nenhuma ramificação da criatividade humana pode viver isolada das outras. Guston sabia-o. E quando chegou a altura de arriscar uma nova linguagem – a da figuração -,  procurou exemplos naqueles que, na pintura ou na escrita, tinham também tentado o mesmo. O seu panteão de antepassados ideais tanto vai de Bellini – e há um maravilhoso Bellini que nos acolhe à entrada da exposição – como aos poetas já citados. E, porque Guston era um homem do seu tempo e intuía que a cultura popular lhe podia oferecer o léxico formal de que necessitava, à banda desenhada. Reconhecemos a iconografia típica dos comics americanos em boa parte da sua pintura.

A montagem, que ocupa todo o espaço de exposições temporárias da Accademia, divide-se assim em cinco grandes núcleos, cada qual dedicado a um dos autores mencionados. O curador não organizou a disposição das peças por ordem cronológica, mas por afinidades temáticas. Por isso, é possível encontrar as grandes telas abstractas do imediato pós-guerra lado a lado com obras do final da década de 70. Mas o que ressalta é a vontade de criar uma nova linguagem visual, a exigência que se nota de obra para obra, a contenção formal e cromática a que o pintor se obriga para criar. Ou, mesmo, os meandros indizíveis do próprio processo criativo. Não se representa ele a si próprio a dormir e a sonhar com cores e pincéis?

Tomemos como exemplo da riqueza de sentidos que a obra de Guston abre a sua relação com Eugenio Montale. Deste poeta, falecido em 1981, Barañano escolheu o livro Ossos de Choco, datado de 1925, redigido quando Montale vivia nas ilhas vulcânicas das Cinque Terre. O livro é um diário de férias onde o autor escolhe voluntariamente uma linguagem muito distante dos floreados académicos e narra experiências que têm a ver com a valorização das pequenas coisas insignificantes, como os ossos de choco do título, esqueletos que o mar atira à areia e aos quais não atribuímos valor. Ora, na consideração da iconografia de Guston, encontramos também estas imagens sem qualidades, como as tampas de caixotes do lixo, os sapatos, a lâmpada de tecto, a mão que segura o cigarro, a boca, o olho. Guston, depois de abandonar o gesto pelo gesto, efectua um descida à origem da pintura que, neste núcleo, não anda longe de uma convocação das paisagens desoladas da pintura metafísica de Giorgio de Chirico, que admirava.

Montale é o poeta que se aproxima mais da personalidade e da obra de Guston. Noutros autores, como por exemplo Yeats, o pintor apropria-se de referências iconográficas explícitas como sucede no poema Bizâncio, o mesmo que começa com o célebre verso “Este país não é para velhos”. Bizâncio, um lamento sobre a morte e uma antecipação do renascer possível, convoca uma imagem que flutua como uma sombra; no fundo, uma metáfora da renovação da pintura que o autor sentia dever fazer. O grande mérito desta exposição não é contudo o de fornecer legendas para a pintura de Philip Guston através da poesia.

Trata-se de linguagens diferentes, que apenas dizem o que são. Guston falava de um momento em que a pintura lhe dizia a ele que era assim e não de outro modo, e isto depois de errar e recomeçar o mesmo até acertar. O mérito desta exposição é o de nos dar a entender que, entre a pintura e a poesia, o que importa é ser. É tocar-se, e nunca deixar de dizer que se é. Tal como sucede nos poetas e no pintor que aqui encontramos.