Carteiras inteligentes e com mecanismos anti-furto

Já há várias propostas de carteiras com alarme, baterias portáteis, sistemas de GPS e alarmes incluídos. Eis algumas sugestões.

Há carteiras que fazem mais do que guardar dinheiro ou cartões (esta não é uma delas)
Foto
Há carteiras que fazem mais do que guardar dinheiro ou cartões (esta não é uma delas) LUIS PO / PUBLICO

Numa altura em que todos os aparelhos têm o prefixo smart e são descritos como inteligentes – do telemóvel e relógio ao frigorífico –  equipas de engenheiros e estilistas estão a tentar desenvolver carteiras com o mesmo adjectivo. A outra ambição é ser à prova de furto. Vários modelos conseguiram angariar rapidamente fundos em sites de financiamento colectivo.

Volterman

Esta carteira de couro inlcui um ponto de acesso à Internet, alarme, GPS, e um carregador portátil. Foi concebida para o “homem de negócios em viagem”, que não pode perder a carteira e precisa de ter os dispositivos todos carregados e Internet acessível em qualquer lugar. Vem com sistema de alarme bluetooth que notifica o dono (via aplicação móvel) de cada vez que a carteira fica para traz. Se for o telemóvel o dispositivo esquecido, a própria carteira começa a apitar.

Caso seja roubada, uma microcâmara envia fotografias de quem abre a carteira quando o modo "carteira roubada" está activado. A bateria portátil funciona com ou sem fios (através do Wifi).

A proposta – que nasceu no site de financiamento colectivo Indiegogo e alcançou o objectivo (cerca de 39 mil euros) no primeiro  dia – também é à prova de água. O preço deverá rondar os 238 dólares (cerca de 208 euros), com o lançamento previsto mundial para Dezembro. 

PÚBLICO -
Foto
A Volterman vem com uma bateria portátil incluída Volterman

Cashew

Tirando o facto de ser um modelo mais robusto que a Volterman – não vem revestida a couro e assemelha-se a um cofre magro que cabe no bolso das calças – , os criadores da Cashew distinguem o produto de outros no mercado por vir com sistemas de autenticação biométrica. Também começou como uma campanha num site de financiamento colectivo.

A carteira apenas se pode abrir com uma impressão digital do dono, ou das pessoas em quem o dono confia (suporta até 20 impressões digitais diferentes). Quando está fechada, vem protegida com um sistema que a bloqueia a identificação por radiofrequência (RFID). O sistema desenvolvido há décadas tem sido inserido nos cartões de crédito nos últimos anos para permitir a utilização sem código, mas pode ser aproveitado para atacantes com leitores electrónicos roubarem informação através de sensores. A Cashew resolve o problema (porém, quem não quiser uma carteira – e estiver preocupado –consegue a mesma protecção ao enrolar o cartão de crédito com uma folha de alumínio).

Custa 199 dólares (cerca de 175 euros), e é enviada para todo o mundo.

PÚBLICO -
Foto
A Cashew assemelha-se a um cofre magro que cabe no bolso das calças Cashew

Wocket

A versão de carteira dos criadores da Wocket é um cartão: o objectivo é juntar a informação de vários cartões num só. O aparelho vem protegido com um sistema de segurança numérico e outro activado através da voz.

A Wocket traz um leitor para programar os vários cartões com que funciona, e uma bolsa que tem um ecrã que permite escolher o cartão que se está a utilizar de cada vez. Além de cartões financeiros, o produto também guarda informação de palavras-passe, e cartões de fidelidade de lojas e serviços. Recomenda-se, porém, que o utilizador viaje sempre com o cartão de cidadão e a carta de condução.

Custa 179 dólares (156 euros), com os portes estão incluídos. Quem quiser, pode pagar com bitcoins.

PÚBLICO -
Foto
O Wocket também guarda a informação de palavras-passe Wocket

FYB London

Embora as carteiras acima possam ser utilizadas por homens e mulheres, a sua divulgação é direccionada para os homens. Ainda não há muitas carteiras desenhadas para mulheres a aproveitar estas tecnologias, mas já há uma proposta de mala no site de financiamento Kickstarter. O lançamento oficial é este mês.

A FYB London vem com bolsos para carregamento sem fios do telemóvel, um fecho que se abre com a impressão digital da dona, divisões protegidas de identificação por radiofrequência onde se podem colocar os cartões e o passaporte, e tecnologia de bluetooth para avisa quando a mala se afasta. Um sistema de GPS permite saber depois a localização.

O projecto conseguiu mais do que 125% do financiamento inicialmente pedido no Kickstarter (precisava de 30 mil dólares, acaba com 131,4 mil). Custa 399 dólares e há três modelos de cor há escolha: branca, preta (com detalhes a branco), e uma edição especial azul escura.

PÚBLICO -
Foto
O fecho abre-se via impressão digital FYB London