Lista do armamento furtado em Tancos é revelada por jornal espanhol

A lista circula pelos organismos europeus de combate ao terrorismo, perante o receio de o armamento vir a ser utilizado por grupos extremistas.

miguel madeira/ARQUIVO
Foto
miguel madeira/ARQUIVO

O jornal El Español divulgou neste domingo a lista do material de guerra furtado dos paióis em Tancos, distrito de Santarém, na noite de terça para quarta-feira. A publicação online teve acesso a um documento em que estava listada a tipologia e quantidades do material bélico – documento esse que fora enviado a várias instâncias europeias antiterrorismo. Da lista constam mais de 1400 cartuchos de nove milímetros, 200 granadas de vários tipos e 264 unidades de explosivo plástico.

“As forças de segurança europeias, já por si em permanente alerta antiterrorista, têm desde há uns dias uma nova razão para se preocuparem”, lê-se no início do artigo publicado pelo El Español. Os aliados da NATO já foram notificados do furto, bem como os serviços de informação estrangeiros.

O Exército português tinha já apurado anteriormente as quantidades exactas de armas furtadas mas optou por não revelar a informação para que as averiguações não fossem prejudicadas. A investigação judicial sobre o caso decorre no Departamento de Investigação e Acção Penal (DCIAP) de Lisboa e está a cargo da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da Unidade de Contraterrorismo e Crime Organizado da Polícia Judiciária (PJ), pelo receio de que o material possa ser usado para fins terroristas.

Neste domingo, Marcelo Rebelo de Sousa reagiu ao furto de material militar, considerando que é necessário "investigar até ao fim em termos de factos e responsabilidades", para impedir e prevenir que haja, no futuro, "furtos destes e com crescente gravidade". No sábado, o Chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, admitiu a possibilidade de fuga de informação, adiantando ainda que tinha demitido temporariamente cinco comandantes para que não interferissem nas investigações. 

PÚBLICO -
Aumentar