Fintar a desigualdade a 5800 metros do chão? Isso é para miúdas

A discriminação de género no desporto levou a Equal Playing Field a organizar uma competição acima das nuvens. Um recorde mundial em nome do desporto no feminino.

Foto
Equal Playing Field

A desigualdade não pode continuar, nem aqui nem em nenhum ponto do globo, por mais alto que se situe. Para darem o exemplo, 30 jogadoras de futebol jogaram uma partida de futebol num campo bem acima das nuvens. Um feito digno de recorde mundial.

Cinco mil e oitocentos metros de altitude, farinha no chão para marcar as linhas e os limites do terreno de jogo, bastões de caminhada espetados no solo a fazer de bandeiras de canto e algumas máscaras de oxigénio, para alguma emergência. Em campo, 11 contra 11. Tudo em nome de um alerta planetário: o desporto no feminino permanece sub-representado e subvalorizado. Há culturas e sociedades em que as mulheres ainda estão proibidas de praticar desporto.

A montanha Kilimanjaro está localizada no  noroeste da Tanzânia e foi o local escolhido pelos promotores do Equal Playing Field, iniciativa que eleva o futebol feminino até ao recorde do Guinness. Este marco é parte de um projecto que visa sensibilizar para os problemas das mulheres, em todo o mundo, quando se trata da prática de um desporto. O movimento exige igualdade de tratamento entre mulheres e homens.

Frente a frente duas equipas, Vulcão FC e Glaciar FC: 22 mulheres em campo e muita vontade de jogar. O resultado final foi um empate a zero. Tudo igual. Como defendem as atletas, no que toca à vida de homens e mulheres. 

As atletas partiram a 15 de Junho e depois de cinco horas de caminhada até ao Kilimanjaro, a 5895 m de altitude, desceram aos 5785 metros, em direcção a um campo de futebol, coberto de cinzas vulcânicas e aprovado pela FIFA.

Balizas de tamanho regular, árbitros a postos e 30mulheres de seis continentes.  As jogadoras tinham entre os 15 e os 66 anos. A ex-internacional Lori Lindsey (EUA) e a afegã Hajar Abulfazl entraram também em campo durante esta iniciativa. E já há ideias para o próximo recorde: o jogo de futebol à mais baixa altitude de sempre no mar Morto, na Jordânia.