Quando o universo está num estado denso, a Teoria do Big Bang regressa

Décima temporada de uma série à antiga estreia-se neste domingo no AXN White.

Foto

A Teoria do Big Bang é uma série à antiga. À antiga televisão. Uma sitcom com gargalhadas enlatadas, um grupo de amigos que tende a sentar-se em sofás e mesas com um ponto de vista mesmo a jeito para uma câmara os acompanhar e cenários que ficam com o espectador tanto tempo que parecem fazer parte da sua casa.

A comédia A Teoria do Big Bang é também uma máquina de audiências à antiga — numa altura em que os grandes fenómenos se medem tanto pela popularidade nas redes sociais quanto nos audímetros, a série da máquina Chuck Lorre teve uma média de 19 milhões de espectadores nos EUA na temporada que este domingo se estreia no AXN White.

É a 10.ª, outro número que faz da sitcom sobre nerds que falam de Stephen Hawking e Star Wars e são vistos por Neil Gaiman e Stan Lee uma série que parece de outros tempos. Os cinco vizinhos centrais e os amigos e namoradas estão a crescer, sobretudo na vida romântica, e os geeks mantêm os seus muitos amigos nas audiências e na CBS — o canal garantiu-lhes mais duas temporadas, pelo menos, e salários próximos dos 900 mil euros por episódio para o núcleo original e de meio milhão de dólares para os que passaram de secundários a principais.

A série regressa às 21h35 com novos episódios da temporada que terminou em Maio deste ano nos EUA, ainda longe da velocidade na exibição no tempo do streaming e dos torrents (e da rapidez da música do seu genérico, dos Barenaked Ladies, em que a Terra começou a arrefecer e que pirâmides e muros se começaram a erguer).

A rubrica Media & Tecnologia é publicado no P2, caderno de domingo do PÚBLICO